A pós-graduação stricto sensu em Ciências da Saúde

um processo em construção

Autores

DOI:

https://doi.org/10.51723/ccs.v32i03.1057

Palavras-chave:

Pós-graduação stricto sensu, Ciências da Saúde, Sistema Única de Saúde

Resumo

Introdução: Este artigo descreve a trajetória da criação dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências da Saúde da ESCS/FEPECS e reflete sobre os desafios da pesquisa em saúde.

Objetivo: descrever o processo de desenvolvimento da capacidade institucional da ESCS como instituição formadora de profissionais de saúde na modalidade pós-graduação stricto sensu adequados às necessidades observadas no Sistema Único de Saúde (SUS).

Método: análise documental e extração de dados da Plataforma Sucupira/Capes.

Resultados: desde 2008 a 2020 desenvolveram-se parcerias com outros programas de pós-graduação até a criação do primeiro programa próprio que ocorreu em 2012. Neste período foram formados 204 egressos, 98% são profissionais que atuam no SUS-DF. Os mestrados profissionais e o acadêmico próprios da ESCS possuem singularidades decorrentes da integração ensino-serviço, que potencializam a produção de conhecimento aplicável ao SUS-DF.

Conclusão: todas as iniciativas estão coerentes com um diálogo intersetorial entre educação e saúde, conforme preconizado pelos marcos legais e infra legais do SUS.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isabel Oliveira Arruda Reginato, Escola Superior de Ciências da Saúde - ESCS

Administradora, Especialista em Gestão Pública, Mestranda do Programa de Mestrado Profissional em Ciências para a Saúde (ESCS/FEPECS). Brasília, DF, Brasil

Carmélia Matos Santiago Reis, Escola Superior de Ciências da Saúde - ESCS

Médica, Doutora em Dermatologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Coordenadora de Cursos de pós-graduação stricto sensu da Escola Superior de Ciências da Saúde. Brasília, DF, Brasil

Renata Costa Fortes, Escola Superior de Ciências da Saúde - ESCS

Nutricionista, Doutora em Nutrição Humana, Docente dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu da Escola Superior de Ciências da Saúde. Brasília, DF, Brasil

Ana Lúcia Ribeiro Salomon, Escola Superior de Ciências da Saúde - ESCS

Nutricionista, Doutora em Ciências da Saúde pela Universidade de Brasília, Docente dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu da ESCS. Brasília, DF, Brasil

Maria Fátima Moura Araújo, Ministério da Saúde

Nutricionista, Mestre em Nutrição Humana, Aposentada do Ministério da Saúde do Brasil (MS) e da Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal (SES). Brasília, DF, Brasil

Maria Rita Carvalho Garbi Novaes, Escola Superior de Ciências da Saúde - ESCS

Farmacêutica, Doutora em Ciências da Saúde pela Universidade de Brasília, Docente Permanente dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu da ESCS/FEPECS. Brasília, DF, Brasil

Levy Aniceto Santana, Escola Superior de Ciências da Saúde - ESCS

Fisioterapeuta, Doutor em Ciências da Saúde, Gerente de Cursos de Mestrado e Doutorado da Escola Superior de Ciências da Saúde. Brasília, DF, Brasil

Leila Bernarda Donato Göttems, Escola Superior de Ciências da Saúde - ESCS

Enfermeira, Mestre em Ciências da Saúde e Doutora em Administração pela Universidade de Brasília, Docente dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu da Escola Superior de Ciências da Saúde. Brasília, DF, Brasil

Referências

Balbachevsky E. A pós-graduação no Brasil: novos desafios para uma política bem-sucedida. In: Brock C, Schwartzman S, organizadores. Os desafios da educação no Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira; 2005. p. 275-304

Moritz GO, Moritz MO, Melo PA. A Pós-Graduação brasileira: evolução e principais desafios no ambiente de cenários prospectivos. UFSC 2011. Disponível em http://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/26136 Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. Acesso em agosto de 2020.

Brasil. Parecer nº 977/65 – Definição dos Cursos de Pós-Graduação. Brasília: MEC, 1965. Disponível em: https://capes.gov.br/images/stories/download/legislação Acesso em agosto 2020

Santos ALF, Azevedo JML. A pós-graduação no Brasil, a pesquisa em educação e os estudos sobre a política educacional: os contornos da constituição de um campo acadêmico. Rev. Bras. Educ. 2009, 14(42): 534-550. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbedu/a/9gS5G9MGJfFn9C6fwMtx7vp/?format=pdf&lang=pt Acesso em Julho 2021.

Brasil. Constituição, 1988. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal; 1988

Brasil. Política de Recursos Humanos para o SUS: balanço e perspectivas. Brasília: MEC/CAPES, 2003. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cd03_16.pdf Acesso em: julho de 2020

Brasil. Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Instituto de Medicina Social. Análise da Política de Educação Permanente do SUS (PEPS) implementada pelas Secretarias Estaduais de Saúde (SES) [Relatorio final] Vol. II. Disponível em: http://www.obsnetims.org.br/uploaded/3_2_2016__0_Vol%20II_Relatorio_EPSUS_Cnpq_2015.pdf

França T, Medeiros KR, Belisario AS, Garcia AC, Pinto ICM, Castro JL, Pierantoni CR. Política de Educação Permanente em Saúde no Brasil: a contribuição das Comissões Permanentes de Integração Ensino-Serviço. Brasília: Revista Ciência & Saúde Coletiva. 2016, 22(6):1817-1828. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csc/a/gxPVCCx7x83PrSJ5yvppYXz/?format=pdf&lang=pt. Acesso em julho de2021.

Brasil. Portaria GM/MS nº 1.996, de 20 de agosto de 2007. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2007/prt1996_20_08_2007.html

Gigante RL, Campos GWS. Política de formação e educação permanente em saúde no Brasil: bases legais e referências teóricas. Trab. Educ. Saúde, 2016, 14(3): 747-63. https://doi.org/10.1590/1981-7746-sip00124

Amorim FF, Santana LA, Göttems LBD. A formação na modalidade de pós-graduação stricto sensu no Distrito Federal, Brasil: a experiência da Escola Superior de Ciências da Saúde (ESCS). Brasília: Revista Ciência e Saúde Coletiva. 2019, 24(6):2203-2210. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csc/a/pNtH3RcKqCFm8CzHmR984ph/?format=pdf&lang=pt

Laville C, Dionne J. A construção do saber: manual de metodologia de pesquisa em ciências humanas. Belo Horizonte (MG): UFMG, 1999.

Lüdke M, André M. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

Brasil. Coordenação de aperfeiçoamento de Pessoal de nível superior. Acordo CAPES/COFEN. Resultado preliminar do Edital 27/2016. Disponível em: https://www.gov.br/capes/pt-br/centrais-de-conteudo/15032016-acordo-capes-cofen-resultado-preliminar-pdf

Brasil. Coordenação de aperfeiçoamento de Pessoal de nível superior. Acordo CAPES/COFEN. Edital nº 28/2019. Resultado Final. Disponível em: https://www.gov.br/capes/pt-br/centrais-de-conteudo/28052020-edital-1213112-edital28-resultado-final-pdf

Brasil. Associação Brasileira De Saúde Coletiva. Mestrado Profissional em Saúde da Família. Disponível em: https://profsaude-abrasco.fiocruz.br/sobre-programa. Acesso em: 12 de julho de 2021.

Brasil. Ministério da Saúde, Resolução nº 287 de 08 de outubro de 1998 do Conselho Nacional de Saúde. 1998. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/1998/res0287_08_10_1998.html

Silva MT, Oliveira E, Mamede W, Cardoso CG, Teixeira RA, Barros NF. Repercussões do Mestrado Profissional em Saúde Coletiva sobre os serviços de Saúde no Brasil: uma Revisão. Portugal: Atas do 6º Congresso Ibero-Americano em Investigação Qualitativa. 2017, vol. 2, 978-972-8914-77-6

Fischer T. Mestrado profissional como prática acadêmica. RBPG. 2005, 2(4):24-29. Disponível em: https://rbpg.capes.gov.br/index.php/rbpg/article/view/74/71

Rossi RAS, Seiffert OMLB. Avaliação, currículo, docência e formação em saúde: Itinerários Percorridos. São Paulo. Coleção Ensino em Ciências da Saúde; v.1. 2020. Disponível em: https://cdn1.unasp.br/mestrado/educacao/2021/04/28100905/FORMACAO-EM-AVALIACAO-NO-ENSINO-SUPERIOR.pdf

Downloads

Publicado

24.09.2021

Como Citar

1.
Reginato IOA, Reis CMS, Fortes RC, Salomon ALR, Araújo MFM, Novaes MRCG, Santana LA, Göttems LBD. A pós-graduação stricto sensu em Ciências da Saúde: um processo em construção. Com. Ciências Saúde [Internet]. 24º de setembro de 2021 [citado 28º de fevereiro de 2024];32(03). Disponível em: https://revistaccs.escs.edu.br/index.php/comunicacaoemcienciasdasaude/article/view/1057

Edição

Seção

Reflexões em educação e saúde: a experiência da Fepecs e suas escolas

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)