Análise da utilização dos serviços em uma Unidade Básica de Saúde do Distrito Federal, Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.51723/ccs.v34i01.1411

Palavras-chave:

Atenção primária à saúde, Georreferenciamento, Acesso aos serviços de saúde, Equidade

Resumo

Objetivo: analisar aspectos da acessibilidade da população a uma UBS e as características da utilização dos serviços. Métodos: Estudo descritivo dos dados extraídos do Portal InfoSaúde-DF, e-SUS-AB e Geoportal do Governo do Distrito Federal. Georreferenciamento e mapas criados no software QGIS. Resultados: Foram analisados os registros de 6.811 pacientes atendidos de 2017 - 2020; 80% residiam em um perímetro de 2,28 km em área de aclives, ruas movimentadas e calçadas precárias; 67,1% demandaram espontaneamente por atendimento; a utilização de serviços foi significativamente maior para os que residiam há 500m da UBS e entre as mulheres até os 35 anos. Técnico de Enfermagem e Médicos realizaram a maior parte dos atendimentos. Ritmo de atendimento da UBS alterado na primeira onda de COVID-19. Conclusão: os fatores que influenciam a acessibilidade e a utilização dos serviços devem ser monitorados para a melhoria continua da APS. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro Lucas Göttems King, Universidade de Brasília - UnB

Estudante do Curso de Geografia, Universidade de Brasília, Bolsista de PIBIC/CNPq, Brasília, DF, Brasil

Flávio Pontes de Amorim, Universidade Católica de Brasília - UCB

Estudante do Curso de Medicina, Universidade Católica de Brasília, Bolsista de PIBIC/CNPq, Brasília, DF, Brasil

Gleiton Lima Araújo, Escola Superior de Ciências da Saúde - ESCS

Dentista. Mestre em Ciências da Saúde, Escola Superior de Ciências da Saúde, Brasília, DF, Brasil

Thais Barros Zanette da Silva, Escola Superior de Ciências da Saúde - ESCS

Dentista. Mestranda do Programa de Pós Graduação Stricto Sensu, modalidade Mestrado Acadêmico, Escola Superior de Ciências da Saúde, Brasília, DF, Brasil

Levy Aniceto Santana, Escola Superior de Ciências da Saúde - ESCS

Fisioterapeuta. Docente do Programa de Mestrado Profissional em Ciências para a Saúde, Escola Superior de Ciências da Saúde, Brasília, DF, Brasil

Sergio Eduardo Soares Fernandes, Universidade de Brasília - UnB

Médico. Doutorando do Programa de Pós-graduação stricto sensu em Saúde Coletiva, Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil

Leila Bernarda Donato Göttems, Escola Superior de Ciências da Saúde - ESCS

Enfermeira. Docente do Programa de Mestrado Profissional em Ciências para a Saúde, Escola Superior de Ciências da Saúde, Brasília, DF, Brasil

Referências

Portela GZ. Atenção Primária à Saúde: um ensaio sobre conceitos aplicados aos estudos nacionais. Physis. 2017;27(2). https://doi.org/10.1590/S0103-73312017000200005.

Giovanella L, Bousquat A, Schenkman S, Almeida PF, Sardinha LMV, Vieira MLFP. Cobertura da Estratégia Saúde da Família no Brasil: o que nos mostram as Pesquisas Nacionais de Saúde 2013 e 2019. Ciênc. Saúde Colet. 2021;26(suppl 1):2543-2556. doi.org/10.1590/1413-81232021266.1.43952020

Brasil. Ministério da Saúde (MS). Portaria n° 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União, Brasília, 2017. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html

Brito GEG, Mendes ACG, Santos Neto PM. Purpose of work in the Family Health Strategy. Interface (Botucatu). 2018;22(64):77-86.

Melo DS, Silva ALA, Martelli PJL, Lyra TM, Miranda GMD, Mendes ACG. O direito à saúde no território: o olhar dos usuários para Atenção Primária à Saúde. Ciênc. Saúde Colet. 2021;26(10):4569-4578. doi.org/10.1590/1413-812320212610.10722021.

Assis MM, Jesus WLA. Acesso aos serviços de saúde: abordagens, conceitos, políticas e modelo de análise. Ciência & Saúde Coletiva [online]. 2012, v. 17, n. 11 [Acessado 29 Junho 2022] , pp. 2865-2875. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/S1413-81232012001100002>. Epub 04 Dez 2012. ISSN 1678-4561. https://doi.org/10.1590/S1413-81232012001100002.

Silva Junior ES, Medina MG, Aquino R, Fonseca ACF, Vilasbôas ALQ. Acessibilidade geográfica à atenção primária à saúde em distrito sanitário do município de Salvador, Bahia. Rev. Bras. Saúde Mater. Infant. 2010;10(supl. 1):s49-s60. doi.org/10.1590/S1519-38292010000500005

Donabedian A. Los espacios de La Salud: Aspectos fundamentales de la organización de la atención médica. México: Fondo de Cultura Económica; 1988. Available in: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/lil-138957

Viegas SMF, Penna CMM. Integrality: Life principle and right to health. Investigacion y Educacion en Enfermeria. 2015;33(2):237-47. http://dx.doi.org/10.17533/udea.iee.v33n2a06

Hart JT. The inverse care law. Lancet. 1971;1(7696):405-12. doi: 10.1016/s0140-6736(71)92410-x.

Victora CG, Vaughan JP, Barros FC, Silva AC, Tomasi E. Explaining trends in inequities: evidence from Brazilian child health studies. Lancet. 2000;356(9235):1093-8. doi: 10.1016/S0140-6736(00)02741-0

Tureck F, Chioro A, Andreazza R. Meu Deus, lá vem ele de novo! O cuidado à saúde aos “hiperutilizadores” na Atenção Básica. Interface (Botucatu). 2022;26:e210653. https://doi.org/10.1590/interface.210653.

Guimarães RM. A teoria da equidade reversa se aplica na atenção primária à saúde? Evidências de 5 564 municípios brasileiros. Rev Panam Salud Publica. 2018;42:128. doi.org/10.26633/RPSP.2018.128.

Brasil. Portaria Nº 2.979 de 12 de novembro de 2019. Institui o Programa Previne Brasil, que estabelece novo modelo de financiamento de custeio da Atenção Primária à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde, por meio da alteração da Portaria de Consolidação nº 6/GM/MS. Diário oficial da União 2017; 28 de set. Disponível em: https://www.in.gov.br/web/dou/-/portaria-n-2.979-de-12-de-novembro-de-2019-227652180

Gottems LBD, Almeida MO, Raggio AMB, Bittencourt RJ. O Sistema Único de Saúde no Distrito Federal, Brasil (1960 a 2018): revisitando a história para planejar o futuro. Ciênc. Saúde Colet. 2019;24(6):1997-2008. doi.org/10.1590/1413-81232018246.08522019

Corrêa DSRC, Moura AGOM, Quito MV, Souza HM, Versiani LM, Leuzzi S, et al. Movimentos de reforma do sistema de saúde do Distrito Federal: a conversão do modelo assistencial da Atenção Primária à Saúde. Ciênc. Saúde Colet. 2019;24(6):2031-41. doi: 10.1590/1413-81232018246.08802019

Kirby RS, Delmelle E, Eberth JM. Advances in spatial epidemiology and geographic information systems. Ann Epidemiol. 2017;27(1):1-9. doi: 10.1016/j.annepidem.2016.12.001.

Albuquerque MSV, Lyra TM, Farias SF, Mendes MFM, Martelli PJL. Acessibilidade aos serviços de saúde: uma análise a partir da Atenção Básica em Pernambuco. Saúde Debate. 2014;38:182-94. doi:10.5935/0103-1104.2014S014.

Normam AH, Tesser CD. Acesso ao cuidado na Estratégia Saúde da Família: equilíbrio entre demanda espontânea e prevenção/promoção da saúde. Saúde Soc. 2015;24(1):165-79. doi.org/10.1590/S0104-12902015000100013.

Vidal TB. Acesso avançado e sua relação com o número de atendimentos médicos em atenção primária à saúde [dissertação]. Rio Grande do Sul: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2013. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/87111

Cirino FMSB, Schneider Filho DA, Nichiata LYI, Fracolli LA. O Acesso Avançado como estratégia de organização da agenda e de ampliação do acesso em uma Unidade Básica de Saúde de Estratégia Saúde da Família, município de Diadema, São Paulo. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2020;15(42):2111. https://doi.org/10.5712/rbmfc15(2)2111

Stelet BP, Modesto AAD, Neto AO, Aragão CM, Reigada CLL. “Avançado” ou “precipitado”? Sobre o Modelo de Acesso Avançado/Aberto na Atenção Primária à Saúde. Trab. educ. saúde. 2022;20. doi: https://doi.org/10.1590/1981-7746-ojs588.

Andersson SO, Mattsson B, Lynoe N. Patients frequently consulting general practitioners at a primary health care centre in Sweden--a comparative study. Scand J Soc Med. 1995;23(4):251-7. doi: 10.1177/140349489502300406.

Follador K, Becker A, Gasparin VA, Fonseca AP, Ferraz L, Lazzari DP, et al. Hiperutilizadores Do Sistema Único De Saúde: Perfil E Estratégia De Intervenção. In: Política, planejamento e gestão em saúde 4. Castro LHA, Moreto FVC, Pereira TT (Org.). Ponta Grossa: Atena; 2020. p.42-50. Disponível em: https://www.atenaeditora.com.br/post-artigo/39758.

Melo SRA. Caracterização e avaliação dos usuários frequentes (hiperutilizadores) do Serviço público de urgência/emergência do município de Monte Alto/SP [dissertação]. Ribeirão Preto: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto; 2018. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/17/17157/tde-12072019-110311/pt-br.php

Carvalho IPA, Carvalho CGX, Lopes JMC. Prevalência de hiperutilizadores de serviços de saúde com histórico positivo para depressão em Atenção Primária à Saúde. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2015;10(34):1-7. https://doi.org/10.5712/rbmfc10(34)957.

Publicado

15.07.2023

Como Citar

1.
King PLG, Amorim FP de, Araújo GL, Silva TBZ da, Santana LA, Fernandes SES, Göttems LBD. Análise da utilização dos serviços em uma Unidade Básica de Saúde do Distrito Federal, Brasil. Com. Ciências Saúde [Internet]. 15º de julho de 2023 [citado 24º de junho de 2024];34(01). Disponível em: https://revistaccs.escs.edu.br/index.php/comunicacaoemcienciasdasaude/article/view/1411

Edição

Seção

Saúde Coletiva

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)