Efeitos da Educação Alimentar e Nutricional sobre qualidade da dieta e comportamento alimentar de idosos

Autores

  • Cássia Regina Luz Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal
  • Ana Lúcia Ribeiro Salomon Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal
  • Renata Costa Fortes Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal

DOI:

https://doi.org/10.51723/ccs.v32i01.546

Palavras-chave:

Dieta, Comportamento alimentar, Nutrição do idoso

Resumo

Objetivo: investigar os efeitos de intervenção do tipo Educação Alimentar e Nutricional baseada no Modelo Transteórico. Métodos: ensaio clínico aberto com 70 idosos. Avaliou-se qualidade da dieta, por meio de Recordatórios Alimentares e Índice de Qualidade da Dieta, e o comportamento alimentar, com análise comparativa do tipo pré-pós onde o grupo de comparação ou controle foi o próprio grupo selecionado para a intervenção. Resultados: melhora da dieta, com aumento do consumo de frutas, vegetais e hortaliças e do comportamento alimentar (evolução dos estágios de pré-contemplação para ação). Conclusão:  mudança nos hábitos de idosos é difícil, considera-se que a intervenção foi efetiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cássia Regina Luz, Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal

Nutricionista. Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal

Ana Lúcia Ribeiro Salomon, Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal

Doutora pela Universidade de Brasília. Nutricionista. Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal

Renata Costa Fortes, Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal

Doutora pela Universidade de Brasília. Nutricionista. Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal.

Referências

World Health Organization. Diet, nutrition and the prevention of chronic diseases: report of a Joint WHO/FAO Expert Consultation. 2003. https://www.who.int/dietphysicalactivity/publications/trs916/en/

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde (BR). Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde (BR). Vigitel Brasil 2015: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília; 2016. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/vigitel_brasil_2015.pdf

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE (BR). Coordenação de Trabalho e Rendimentos (BR). Pesquisa nacional de saúde:2019: percepção do estado de saúde, estilos de vida, doenças crônicas e saúde bucal. Rio de Janeiro;2020. https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101748.pdf

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde (BR). Departamento de Atenção Básica (BR). Guia alimentar para a população brasileira. Brasília; 2014. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_alimentar_populacao_brasileira_2ed.pdf

Brandão AF, Vargas VS, Gomes GC, Pelzer MT, Lunardi VL. Educação nutricional para idosos e seus cuidadores no contexto da educação em saúde. Vittalle. 2010;22(1):27-37. https://periodicos.furg.br/vittalle/article/view/1293

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (BR). Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (BR). Marco de referência de educação alimentar e nutricional para as políticas públicas. Brasília; 2012. http://www.mds.gov.br/webarquivos/arquivo/seguranca_alimentar/caisan/Publicacao/Educacao_Alimentar_Nutricional/1_marcoEAN.pdf

Lara J, Evans EH, O’Brien N, Moynihan PJ, Meyer TD, Adamson AJ et al. Association of behaviour change techniques with effectiveness of dietary interventions among adults of retirement age: a systematic review and meta-analysis of randomised controlled trials. BMC medicine. 2014;12:177. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/25288375/

Prochaska JO, Velicer WF. The transtheoretical model of health behavior change. Am J Health Prom. 1997;12(1):38-48. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/10170434/

Toral N, Slater B. Abordagem do Modelo Transteórico no comportamento alimentar. Ciênc saúde coletiva. 2007;12(6):1641-50. https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232007000600025&script=sci_abstract&tlng=pt

Greene GW, Fey-Yensan N, Padula C, Rossi SR, Rossi JS, Clark PG. Change in Fruit and Vegetable Intake Over 24 Months in Older Adults: Results of the SENIOR Project Intervention. Gerontologist. 2008;48(3):378-87. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/18591363/

Moreira PRS, Rocha NP, Milagres LC, Novaes JF. Análise crítica da qualidade da dieta da população brasileira segundo o Índice de Alimentação Saudável: uma revisão sistemática. Ciênc saúde coletiva. 2015;20(12):3907-23. https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232015001203907&script=sci_abstract&tlng=pt

Previdelli AN, Andrade SC, Pires MM, Ferreira SRG, Fisberg RM, Marchioni DM. Índice de Qualidade da Dieta Revisado para população brasileira. Rev Saude Publica. 2011;45(4):794-8. https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102011000400021

Ministério da Saúde (BR). Vigilância Alimentar e Nutricional – Sisvan: orientações básicas para coleta, análise e processamento de dados e informações em serviços de saúde. Brasília; 2004. http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/orientacoes_coleta_analise_dados_antropometricos.pdf

Salehi L, Mohammad K, Montazeri A. Fruit and vegetables intake among elderly Iranians: a theory-based interventional study using the five-a-day program. Nutr J. 2011;10:123. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/22078240/

Horwath CC, Schembre SM, Motl RW, Dishman RK, NIgg CR Does the transtheoretical model of behavior change provide a useful basis for interventions to promote fruit and vegetable consumption? Health Prom. 2013;27(6):351-7. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/23398135/

Fisberg RM, Marchioni DML. Manual de Avaliação do Consumo Alimentar em estudos populacionais: a experiência do inquérito de saúde em São Paulo (ISA). São Paulo: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo; 2012. https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/cid-65003

Zabotto CB, Viana RPT, Gil MF. Registro fotográfico para inquéritos dietéticos: utensílios e porções. Campinas: Universidade Estadual de Campinas/Goiânia; 1996. https://www.fcm.unicamp.br/fcm/sites/default/files/2016/page/manual_fotografico.pdf

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (BR). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE (BR). Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento (BR). Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009. Tabela de Medidas Referidas para os Alimentos Consumidos no Brasil. Rio de Janeiro; 2011. https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv50000.pdf

Tassitano RM, Cabral PC, Da Silva GAP. Validação de escalas psicossociais para mudança do consumo de frutas, legumes e verduras. Cad Saude Publica. 2014;30(2):272-82. https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-311X2014000200272&script=sci_abstract&tlng=pt

de Freitas PP, de Menezes MC, Dos Santos LC, Pimenta AM, Ferreira AVM, Lopes ACS. The transtheoretical model is an effective weight management intervention: a randomized controlled trial. BMC Public Health. 2020;20(1):652. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32393214/

Downloads

Publicado

19.04.2021 — Atualizado em 01.06.2021

Versões

Como Citar

1.
Luz CR, Salomon ALR, Fortes RC. Efeitos da Educação Alimentar e Nutricional sobre qualidade da dieta e comportamento alimentar de idosos. Com. Ciências Saúde [Internet]. 1º de junho de 2021 [citado 24º de maio de 2024];32(01). Disponível em: https://revistaccs.escs.edu.br/index.php/comunicacaoemcienciasdasaude/article/view/546

Edição

Seção

Clínica Assistencial

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)