https://revistaccs.escs.edu.br/index.php/comunicacaoemcienciasdasaude/issue/feed Comunicação em Ciências da Saúde 2022-09-23T21:39:14+00:00 Revista Comunicação em Ciências da Saúde revistaccs@escs.edu.br Open Journal Systems <p>A Revista Comunicação em Ciências da Saúde foi criada em 1990 com o nome de Revista de Saúde do Distrito Federal e a partir de 2006, passou para a denominação atual. É uma revista da Escola Superior de Ciências da Saúde (ESCS) e tem regularidade trimestral. Sua distribuição é gratuita para as instituições acadêmicas de todo o Brasil e para a rede do Sistema Único de Saúde do Distrito Federal (DF).</p> https://revistaccs.escs.edu.br/index.php/comunicacaoemcienciasdasaude/article/view/1259 Fatores sociodemográficos, sintomas e comorbidades associados à COVID-19 em município do Sul do Brasil 2022-06-30T20:04:33+00:00 Laura Rodolpho Petry laurarp2000@hotmail.com Carla Ferreira Gomes cferreirag@edu.unisinos.br Mariana Hellwig Valério marihv2010@hotmail.com Kelly El Ammar Camera kellyelammar@gmail.com Marcela Nedel marcelanedel1@gmail.com Isabela Slomp Bettoni isabela.sbettoni@gmail.com Lincon Camargo lincon.camargo2021@gmail.com Vanessa Backes vbackes@unisinos.br Juliana Nichterwitz Scherer julianascherer@unisinos.br <p><strong>Introdução: </strong>pandemia de COVID-19 evidenciou a Vigilância Epidemiológica como recurso essencial no acompanhamento temporal de indicadores de saúde. <strong>Objetivo: </strong>identificar fatores sociodemográficos e sintomatológicos associados à infecção por COVID-19 e verificar diferenças temporais nos casos de um município do Sul do Brasil.<strong> Métodos: </strong>trata-se de levantamento epidemiológico, com análise de dados secundários obtidos pela ficha de notificação da Vigilância Epidemiológica do município. Incluíram-se sujeitos notificados por suspeita de COVID-19 no período de 12 meses. <strong>Resultados: </strong>37,9% tiveram resultado positivo para COVID-19. Características sociodemográficas foram semelhantes entre sujeitos positivos e negativos para COVID-19 e 27,3% relataram ter ao menos uma comorbidade prévia, sem apresentar diferença no diagnóstico da infecção. Percebeu-se associação de infecção ao sintoma de anosmia e ageusia. Verificaram-se diferenças de distribuição nas três ondas epidemiológicas.<strong> Conclusões:</strong> infecção por COVID-19 no município foi homogênea na população, sem grupo socioeconômico com maior potencial de positividade, com sintomas amplos da infecção.</p> 2022-10-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Comunicação em Ciências da Saúde https://revistaccs.escs.edu.br/index.php/comunicacaoemcienciasdasaude/article/view/1193 Princípios de comunicação em Odontogeriatria 2022-03-14T22:01:17+00:00 Gabriel Schmitt da Cruz gabsschmitt@gmail.com Eduardo Trota Chaves eduardo.trota@yahoo.com Otávio Pereira D’Ávilla gabsschmitt@gmail.com Eduardo Dickie de Castilhos gabsschmitt@gmail.com <p>Comunicação em odontologia pode ser negligenciada, dada dificuldade da obtenção de um canal paciente-profissional eficaz. <strong>Objetivo</strong>: Investigar práticas de comunicação no cuidado odontológico ao idoso. <strong>Metodologia</strong>: Realizada revisão de escopo, buscando trabalhos indexados nas principais bases e portais de dados em saúde, considerando estudos em qualquer idioma ou ano de publicação. Avaliação do risco de viés foi realizada pelo ‘CASP Checklist para estudos qualitativos’. <strong>Resultados: </strong>3.257 estudos foram investigados, 12 corresponderam aos critérios estabelecidos. Dois estudos apresentaram metodologia observacional participativa e os demais via entrevistas, 42% da amostra abordou somente a comunicação verbal (audível) e 2 mencionaram a prática à distância. A avaliação do risco de viés apontou dez estudos de nível A e dois de nível B. As práticas de teleatendimento ou questionários apresentam-se como aplicações da comunicação em odontogeriatria. <strong>Conclusões:</strong> Sugerem-se princípios comunicativos com o idoso através de interprofissionalidade e atenção, que devem ser exploradas e consolidadas.</p> 2023-02-07T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Comunicação em Ciências da Saúde https://revistaccs.escs.edu.br/index.php/comunicacaoemcienciasdasaude/article/view/1241 Prática interprofissional em saúde 2022-04-17T18:09:56+00:00 Graziela Liebel grazielaliebel_fono@hotmail.com Camila Tavares camilat2011@gmail.com Débora Frizzo Pagnossin dfrizzo@univali.br Rafael Silva Fontenelle rafael_fontenelle@univali.br Rita de Cássia Gabrielli Souza Lima rita.lima@univali.br <p><strong>Objetivo: </strong>Analisar o conhecimento dos profissionais de saúde sobre a prática interprofissional em dois serviços especializados – Centro Especializado em Reabilitação Física e Intelectual e no Serviço de Atenção à Saúde Auditiva, serviços oferecidos pelo SUS. <strong>Método</strong>: pesquisa qualitativa exploratória e descritiva. Dados coletados através entrevista semiestruturada com 16 profissionais, gravadas e transcritas. Os relatos foram analisados por meio de análise temática ajustada. <strong>Resultados:</strong> nos relatos dos profissionais de saúde foi possível observar que a sobrecarga de trabalho, e os interesses dos usuários tem implicado nas práticas interprofissionais, e que, apesar de esforços recentes para implementação da educação interprofissional na graduação em saúde, isso ainda não está acontecendo efetivamente. Os profissionais de saúde apresentam o conhecimento teórico conforme as suas falas, porém este não é aplicado no dia a dia. <strong>Conclusão</strong>: é importante repensar o processo de trabalho em saúde, e a formação em saúde tendo como base a construção de práticas interprofissionais colaborativas.</p> 2023-02-07T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Comunicação em Ciências da Saúde https://revistaccs.escs.edu.br/index.php/comunicacaoemcienciasdasaude/article/view/1069 Resenha do Caderno de Orientações do Agente Popular de Saúde para o enfrentamento da Covid-19 2021-09-28T14:04:58+00:00 Ewelin Wasner Machado da Silva ewelinmachado@ufmg.br Tiago de Oliveira Furlam to.furlan@outlook.com Claudia Cristina de Aguiar Pereira pereirac.claudia@gmail.com Carla Jorge Machado carlajmachado@gmail.com <p>.</p> 2022-09-02T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Comunicação em Ciências da Saúde https://revistaccs.escs.edu.br/index.php/comunicacaoemcienciasdasaude/article/view/1145 Riscos intrínsecos e extrínsecos para quedas em idosos residentes em área rural 2022-04-05T18:47:20+00:00 Rafaela Dinorá Grosser raafaela1907@hotmail.com Luciano Fiorentin fiorentinl@yahoo.com.br Mágda Letícia Pedroso Pereira magdaleticia97@gmail.com Sirlei Favero Cetolin sirlei.cetolin@unoesc.edu.br Vilma Beltrame vilma.beltrame@unoesc.edu.br <p><strong>Objetivo:</strong> identificar os fatores intrínsecos e extrínsecos para quedas em idosos residentes em área rural. <strong>Método:</strong> Estudo transversal, descritivo realizado com idosos residentes em área rural do município de Arabutã – SC. Os dados foram obtidos por meio de entrevista e observação nas residências dos idosos no mês de julho de 2020. <strong>Resultados:</strong> Participaram do estudo 56 idosos, 58,9% do sexo feminino, a idade variou de 60 à 87 anos, 69,55 (± 6,75) anos. A presença de fatores extrínsecos variou de dois a dez por residência, com maior prevalência o vaso sanitário baixo (94,6%); cadeiras sem braços (83,9%); inexistência de barras de apoio no vaso e chuveiro (76,8%); tapetes e capachos (60,7%); objetos estocados em lugares altos (53,6%). <strong>Conclusões:</strong> Os fatores de riscos extrínsecos de quedas observados nesse estudo podem ser modificados a fim de se estabelecer um ambiente seguro para o idoso, sem grandes gastos ou mudanças radicais.</p> 2022-09-02T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Comunicação em Ciências da Saúde https://revistaccs.escs.edu.br/index.php/comunicacaoemcienciasdasaude/article/view/1013 Planejamento das disciplinas pelo docente fisioterapeuta de uma instituição pública do estado de Goiás, Brasil 2022-09-23T21:39:14+00:00 Luiz Henrique Leite Silva luislhls@hotmail.com Jessé Castelo Souza Santana jessecasteloss@gmail.com Clarice Fernandes Pimentel claricefernandespimentel@gmail.com Heliny Alves dos Santos helinyalvesdossantos@gmail.com Hygor Willian de Oliveira hygorfgb@gmail.com Tássio Moreira Peres tassioperes@gmail.com Franassis Barbosa de Oliveira franassis_oliveira@yahoo.com.br <p><strong>Objetivo:</strong> avaliar o planejamento das disciplinas dos docentes fisioterapeutas de uma instituição pública do estado de Goiás, Brasil. <strong>Métodos:</strong> estudo transversal, descritivo, exploratório quantitativo. Os dados foram coletados por meio de questionário semiestruturado e enviado por e-mail. <strong>Resultados</strong>: a amostra foi de 23 participantes. Os docentes possuem autonomia e planejam as disciplinas que lecionam. Existe interdisciplinaridade e a carga horária na visão dos professores é adequada. Os métodos de ensino, recursos didáticos e instrumentos de avaliação variam entre clássicos e tecnológicos, teóricos e práticos. Os professores relatam conhecimento do Projeto Político Pedagógico. <strong>Conclusão:</strong> O perfil geral da atuação dos docentes indica que eles são os responsáveis pelo planejamento de sua disciplina e que o programa planejado é descentralizado, ou seja, variável e adaptado pelo docente a cada uma de suas turmas.</p> 2023-02-03T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Comunicação em Ciências da Saúde https://revistaccs.escs.edu.br/index.php/comunicacaoemcienciasdasaude/article/view/930 Satisfação e autonomia docente em instituição de ensino superior em enfermagem 2022-04-01T00:51:06+00:00 Kátia Rodrigues Menezes katiamenezes@gmail.com Maria Rita Carvalho Garbi Novaes ritanovaes2@gmail.com <p><strong>Objetivo</strong>: analisar o grau de satisfação dos docentes de graduação em enfermagem de instituição pública, correlacionando autonomia e satisfação profissional. <strong>Método</strong>: estudo descritivo, transversal, quantitativo, cujos dados passaram por estatística descritiva e testes paramétricos. <strong>Resultados</strong>: participaram 77 docentes que demonstraram moderada satisfação global e maior satisfação no relacionamento com os alunos. Não houve relação estatística entre satisfação e as variáveis do estudo, mas a correlação entre autonomia e satisfação foi significativa. <strong>Conclusão</strong>: o estudo apontou que a maior satisfação dos docentes está ligada aos fatores intrínsecos ao trabalho. A autonomia docente correlacionou-se positivamente à satisfação no trabalho, sendo apontada como uma influência para a satisfação dos docentes. A potencialização da autonomia pode contribuir sobremaneira para a satisfação no trabalho.</p> 2022-10-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Comunicação em Ciências da Saúde https://revistaccs.escs.edu.br/index.php/comunicacaoemcienciasdasaude/article/view/1268 Perdas dentárias e fatores associados em população idosa negra 2022-05-09T20:57:30+00:00 Lairds Rodrigues Santos lairds_odonto@yahoo.com.br Cláudia Maria Coelho Alves lairds_odonto@yahoo.com.br <p><strong>Introdução:</strong> há evidências de que os negros apresentam uma saúde bucal precária em relação a outros grupos raciais, mas pouco se sabe sobre fatores contextuais, sociais, individuais e de saúde bucal envolvidos<strong>.</strong> <strong>Objetivo:</strong> apresentar um protocolo para elaboração de revisão de escopo sobre os fatores associados às perdas dentárias na população idosa negra.<strong> Métodos:</strong> estratégia de busca em três etapas. Pesquisa no MEDLINE (PubMed), LILACS, SciELO, Scopus e Google Scholar, Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações. Estudos em inglês, espanhol e português serão incluídos. Dados extraídos serão apresentados em forma de fluxograma, gráficos e tabelas com informações sobre população, conceito, contexto e resultados ou descobertas relevantes para a pergunta da revisão. Critérios de inclusão: estudos com pacientes idosos, 60 anos ou mais, de ambos os sexos, e raça negra, preto-parda ou afro-americana como subgrupo étnico/racial. Serão considerados estudos quantitativos e qualitativos, teses, textos, relatórios e estudos sem limite de data.</p> 2022-09-02T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Comunicação em Ciências da Saúde https://revistaccs.escs.edu.br/index.php/comunicacaoemcienciasdasaude/article/view/1236 Análise de partogramas preenchidos pela enfermagem obstétrica de uma Casa de Parto 2022-03-18T19:23:52+00:00 Elora Dana Conceição dos Santos eloradana_30@hotmail.com Amanda Fedevjcyk de Vico amandadevico@yahoo.com.br Hygor Alessandro Firme Elias profhygorelias@gmail.com <p><strong>Introdução:</strong> o partograma é um instrumento de representação gráfica utilizado na avaliação da progressão do trabalho de parto.<strong> Objetivo: </strong>analisar o preenchimento do partograma eletrônico realizado pelos enfermeiros obstetras e residentes em obstetrícia de uma Casa de Parto do Distrito Federal. <strong>Método: </strong>estudo transversal descritivo e exploratório com abordagem quantitativa. As informações para análise foram obtidas através dos prontuários eletrônicos de parturientes que deram entrada em trabalho de parto ativo. <strong>Resultados: </strong>dos 278 partogramas analisados, 94,96% apresentaram erros de preenchimento. Apenas 5,04% foram preenchidos completamente, sem erro. <strong>Discussão:</strong> Os principais erros de preenchimento foram formados pela falta de entendimento dos parâmetros. O instrumento mostrou-se adequado para a monitorização do trabalho de parto, quando bem utilizado. <strong>Considerações Finais: </strong>Foi possível evidenciar falhas de seguimento dos parâmetros no preenchimento e continuidade do partograma. A realização de treinamentos e atividades de educação continuada poderá tornar a prática mais segura na assistência ao parto.</p> 2023-02-07T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Comunicação em Ciências da Saúde https://revistaccs.escs.edu.br/index.php/comunicacaoemcienciasdasaude/article/view/1122 Uso de prescrição pictográfica e outras intervenções farmacêuticas em hospital pediátrico 2021-11-22T15:35:04+00:00 Sarah Kelly Souza de Carvalho Faria skscarvalho@gmail.com Alcidésio de Sales Souza Júnior skscarvalho@gmail.com <p><strong>Introdução</strong>: A baixa escolaridade pode estar associada ao uso inadequado de medicamentos, requerendo o uso de alternativas para facilitar a interpretação das prescrições. <strong>Objetivo:</strong> discutir a experiência do uso de prescrição pictográfica com os responsáveis por pacientes pediátricos, durante internação hospitalar. <strong>Método</strong>: a elaboração da prescrição foi apoiada por entrevista com a cuidadora para identificar estratégias que a auxiliassem no entendimento do uso correto dos medicamentos. O uso de cores e pictogramas foi utilizado para a elaboração da prescrição. <strong>Resultados:</strong> durante o acompanhamento, foram observados resultados positivos que poderiam impactar na adesão da farmacoterapia não confirmados devido à suspensão dos medicamentos. <strong>Conclusão:</strong> no Brasil há um número pequeno de publicações a respeito do uso de pictogramas o que demonstra a necessidade de publicar mais artigos sobre o tema e o impacto acarretado na saúde das crianças e no Sistema Único de Saúde se houvesse aumento da adesão aos tratamentos.</p> 2022-09-02T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Comunicação em Ciências da Saúde https://revistaccs.escs.edu.br/index.php/comunicacaoemcienciasdasaude/article/view/936 Perfil de sensibilidade de bactérias isoladas em amostras de culturas em um hospital terciário 2022-01-04T21:00:19+00:00 Laura Pessoa Londe de Oliveira lauralonde@gmail.com Rodrigo de Freitas Garbero lauralonde@gmail.com <p><strong>Introdução:</strong> o aumento da resistência antimicrobiana é considerado um preocupante problema de saúde, sendo observado nos últimos anos um aumento significativo da circulação de cepas com perfil de multirresistência. <strong>Objetivo:</strong> compreender o perfil de sensibilidade das bactérias identificadas pelo setor de microbiologia, no sentido de contribuir para a tomada de decisões preventivas e terapêuticas no manejo das IRAS. <strong>Métodos:</strong> foi desenvolvido um estudo observacional, transversal, com dados do setor de microbiologia, referente ao período de janeiro a dezembro de 2019. <strong>Resultados:</strong> foram selecionadas 13.800 amostras coletadas, predominantemente, de pacientes internados. Foram incluídas um total de amostras de 9.029 bactérias, divididas em 3.076 gram-positivas e 5.953 gram-negativas. <strong>Conclusão:</strong> as bactérias mais frequentes na instituição foram <em>Klebsiella </em>spp., <em>Escherichia coli</em>, <em>Pseudomonas </em>spp.<em>,</em> <em>Acinetobacter</em> spp., <em>Enterobacter </em>spp. e<em> Proteus mirabilis</em> entre as Gram-negativas e <em>Staphylococcus </em>coagulase negativo (SCN), <em>Staphylococcus aureus</em> e <em>Enterococcus faecalis</em> entre as gram-positivas.</p> 2022-09-02T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Comunicação em Ciências da Saúde https://revistaccs.escs.edu.br/index.php/comunicacaoemcienciasdasaude/article/view/1048 Alterações no comportamento alimentar durante o período de isolamento social na pandemia por COVID-19 2022-05-23T14:42:57+00:00 Tamiris Andressa Leite tamirisandressa15@gmail.com Milena Morelli de Oliveira milenaa.mool@gmail.com Elis Regina Ramos elisramos@gmail.com Caryna Eurich Mazur carynanutricionista@gmail.com Vania Schmitt vania_schmitt@hotmail.com <p><strong>Introdução:</strong> desde a deflagração da pandemia de COVID-19 em 2020, parte da população brasileira passou por isolamento social, com cuidados para mitigar os efeitos do vírus. A fome emocional, desencadeada por situações de depressão, ansiedade, estresse, no qual a comida é vista como uma compensação. <strong>Objetivos:</strong> analisar as alterações no comportamento alimentar durante o período de isolamento social <strong>Método:</strong> aplicado formulário on-line veiculado nas mídias sociais tendo como público-alvo a população adulta.<strong> Resultados: </strong>Participaram da pesquisa 420 pessoas, 90% do sexo feminino, 91.7% estavam em isolamento com a família/amigos, 77,8% expuseram mudanças na alimentação, 53,8% afirmaram que estavam ingerindo mais alimentos. Entre aqueles que sentiam-se bem na quarentena, 93,9% relataram que tiveram mudanças em relação à alimentação, 65,2% consumiram maior quantidade de alimentos, 62,8% encontravam consolo na comida e 61% sentiam fome frequentemente (p&lt;0,05). <strong>Conclusão:</strong> Houve alteração no comportamento e hábito alimentar dos participantes durante o período de isolamento social.</p> 2022-09-02T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Comunicação em Ciências da Saúde https://revistaccs.escs.edu.br/index.php/comunicacaoemcienciasdasaude/article/view/1187 Análise comparativa das diferentes ferramentas de triagem nutricional utilizadas em pacientes oncológicos 2022-03-17T16:40:47+00:00 Bruna Paula de Assis Evangelista brunapaula_11@hotmail.com Leticia Crestan Toneto leticiacrestan@hotmail.com Carla Andressa Martins carlaandressamartins@hotmail.com <p><strong>Introdução:</strong> A triagem nutricional é o ponto de partida para se avaliar o estado nutricional. Visando contribuir para tornar o processo de escolha das triagens mais assertivo, o objetivo desde estudo foi realizar uma análise comparativa das diferentes ferramentas utilizadas em pacientes oncológicos. <strong>Metodologia:</strong> Trata-se de uma revisão sobre artigos cujas amostras utilizaram pacientes oncológicos e analisaram desfechos da aplicação de triagens. Sendo selecionados doze estudos. A análise dos artigos se deu principalmente quanto à análise das ferramentas em comparação com uma referência. <strong>Conclusão:</strong> Foram avaliadas doze ferramentas, sendo as mais utilizadas a NRS 2002 e PG-SGA. Quanto aos desfechos, a MST e NRS 2002 se sobressaíram. Segundo a sensibilidade e especificidade a PG-SGA apresentou melhores resultados. Sugere-se que novos estudos sejam realizados em diferentes contextos e populações oncológicas. Aconselha-se que seja considerado particularidades do ambiente em que a ferramenta será utilizada para a escolha.</p> 2022-09-02T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Comunicação em Ciências da Saúde