Autoimagem corporal de pacientes com câncer gastrointestinal

Autores

  • Nataly de Andrade Camelo Pereira Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal
  • Renata Costa Fortes Universidade Paulista (UNIP)

DOI:

https://doi.org/10.51723/ccs.v26i01/02.162

Resumo

Introdução: O câncer é uma enfermidade multicausal caracterizada pelo crescimento descontrolado, invasivo e rápido de células em que há mutação genética. As alterações corporais como a perda de cabelo, presença de cicatrizes, astenia e amputação de membros, além dos tratamentos instituídos, podem acometer indivíduos com neoplasias malignas, provocando alterações corpóreas permanentes e acarretando comprometimento da autoimagem corporal.
Objetivo: Investigar, na literatura, se existe alteração na avaliação da autoimagem corporal em pacientes com câncer gastrointestinal.
Métodos: Trata-se revisão da literatura utilizando-se artigos indexados em Medline/Pubmed, Lilacs/Bireme e SciELO, com ênfase nos últimos dez anos (2004-2014), nos idiomas, português, inglês e espanhol, além de capítulos de livros científicos.
Resultados: Estudos demonstram que as alterações metabólicas e imunológicas provocadas pelo tumor, assim como as condições clínicas, nutricionais e alterações gastrointestinais podem interferir no estado nutricional e alterar o prognóstico da doença. É demonstrado também que pacientes oncológicos podem ser acometidos por alterações corporais que acarretam comprometimento severo da autoimagem corporal, podendo afetar a qualidade de vida e percepção corporal. A avaliação da imagem corporal por meio de escalas de silhuetas e de escalas contendo questionários estruturados é recomendada. Observa-se que a literatura apresenta o interesse pelo estudo da interferência entre a presença de estomias com a imagem corporal de pacientes com câncer gastrointestinal.
Conclusão: Verificou-se maior prevalência de insatisfação corporal entre os pacientes que apresentam alterações corporais em decorrência do câncer. Porém, são necessários novos estudos para avaliar os reais efeitos do câncer e terapias antineoplásicas sobre a imagem corporal desses pacientes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nataly de Andrade Camelo Pereira, Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal

Programa de Residência em Nutrição Clínica, Hospital Regional da Asa Norte, Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal. Brasília –DF, Brasil

Renata Costa Fortes, Universidade Paulista (UNIP)

Curso de Nutrição, Instituto de Ciências da Saúde, Universidade Paulista (UNIP), Campus Brasília – DF.

Referências

1. Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Consenso Nacional de Nutrição Oncológica. Rio de Janeiro: INCA, 2009.
2. Guerra MR, Moura Gallo CV, Mendonça GAS. Risco de câncer no Brasil: tendências e estudos epidemiológicos mais recentes. Rev bras cancerol. 2005 51(3): 227-34.
3. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). Estimativa 2014:Incidência de Câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA, 2014.
4. Cuppari L. Nutrição nas doenças crônicas não transmissíveis. 1° edição, Barueri, SP:Manole, 2009.
5. Ferreira D, Guimarães TG, Marcadenti A.Aceitação de dietas hospitalares e estado nutricional entre pacientes com câncer. Einstein. 2013; 11(1):41-6.
6. Waitzberg DL, Caiaffa WT, Correia MITD. Inquérito Brasileiro de Avaliação Nutricional Hospitalar (Ibranutri). Rev Bras NutrClin 1999;14(2):124-34.
7. White C. Body images in oncology. Em:Cash, T. Pruzinsky, T. (Eds.), Body Image: A Handbook of Theory, Research, and Clinical Practice. The Guilford Press. New York; 2002, 379–386 p.
8. Russo R. Imagem corporal: construção através da cultura do belo. Mov Percepção. 2005; 5(6):80-90.
9. Silva MS, Castro EK, Chem C. Qualidade de vida e auto-imagem de pacientes com câncer de cabeça e pescoço. Univ. Psychol. 2012; 11(1):13-23.
10. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). Ações de enfermagem para o controle do câncer: uma proposta de integração ensino-serviço. / Instituto Nacional de Câncer. – 3. ed. rev. atual. ampl. – Rio de Janeiro:INCA, 2008.
11. Organização Mundial da Saúde. International Agency for Research on Cancer. Latestworld cancer statistics Global cancer burden rises to 14.1 million new cases in 2012: Marked increase in breast cancers must be addressed. Press Release, 2013, (223).
12. Melo MM, Nunes LC, Leite LCG. Relação entre Fatores Alimentares e Antropométricos e Neoplasias do Trato Gastrointestinal: Investigações Conduzidas no Brasil. Revista Brasileira de Cancerologia, 2012; 58(1):85-95.
13. Rodríguez AT, Calsina-Berna A, González-Barboteo J, Alentorn XB. Caquexia en cáncer. Med Clin (Barc). 2010;135(12):568–572
14. Silva MPN. Síndrome da anorexia-caquexia em portadores de câncer. Rev Bras Cancerol. 2006; 52(1):59-77.
15. Smiderle CA, Gallon CW. Desnutrição em oncologia: revisão de literatura. Rev Bras Nutr Clin. 2012; 27(4):250-6.
16. Shareen N, Randohoff DF. Gastroesophageal reflux, Barret esophagus and Esophageal Cancer. JAMA. 2002; 287(15): 1972-81.
17. Rubenstein JH, Taylor JB. Meta-analysis: the association of oesophageal adenocarcinoma with symptoms of gastro-oesophageal reflux. Aliment Pharmacol Ther. 2010; 32:1222–1227.
18. Wilson RL. Optimizing nutrition for patients with cancer. Clin J Oncol Nurs. 2000; 23(1): 23-8.
19. Jemal A, Bray F, Center MM, Ferlay Jm Ward E, Forman D. Global Center Statistic. CA Cancer J Clin. Pennsylvania. 2011; 61(2):69-90.
20. Kimura CA, Kamada I, Fortes RC, Monteiro PS. Reflexões para os profissionais de saúde sobre qualidade de vida de pacientes oncológicos ostomizados. Rev. Ciências da Saúde. 2009; 20(4):33-340.
21. Campos FG, Waitzberg DL, Habar-Gama A. Influência da dieta na gênese do câncer colorretal. In: Waitzberg, D.L. Dieta, nutrição e cancer. São Paulo: Atheneu, 2004, 247-52 p.
22. Gunter MJ, Leitzmann MF. Obesity and colorrectal cancer: epidemiology, mechanisms and candidate genes. J. Nutr Biochem. 2006; 17(3):145-156.
23. Bechara RN, Bechara MS, Bechara CS, Queiroz HC, Oliveira RB, Mota RS, Secchin LSB, Júnior AGO. Abordagem Multidisciplinar do Ostomizado. Rev bras Coloproct 2005; 25(2):146-149.
24. Bresciani C, Gama-Rodrigues JJ, Ribeiro Jr U, Ribeiro AVS, Perez RO, Jacob CE, Zilberstein. Dieta e câncer gástrico. In: Waitzberg, D.L. Dieta, nutrição e câncer. São Paulo: Atheneu, 2004. 238-42p.
25. Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Estimativa 2010: Incidência de câncer no Brasil. Instituto Nacional de Câncer. Rio de Janeiro: INCA, 2009a.
26. Antunes DC, Silva IML, Cruz WMS. Quimioprevenção do Câncer Gástrico. Revista Brasileira de Cancerologia. 2010; 56(3):367-374.
27. Hohengerger P, Gretschel S. Gastric cancer: The lancet. 2003; 362: 305-15.
28. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. VIGITEL Brasil 2010: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília: Ministério da Saúde, 2011.
29. Organização Mundial da Saúde. International Agency for Research on Cancer. Globocan 2008: cancer incidence, mortality and prevalence worldwide in 2008.
30. Gupta R, Ihmaidat H. Nutritional effects of oesophageal, gastric and pancreatic carcinoma. Eur J Surg Oncol. 2003; 29(8): 634-43.
31. Mahan LK, Escott-Stump S, Raymond JL. Krause: Alimentos, Nutrição e Dietoterapia. 13 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.849p.
32. Lopes LF. Oncologia cirúrgica. In: Kowaslki LP, Anelli A, Salvajori JV, Lopes LF. Manual de condutas diagnósticas e terapêuticas em oncologia. 2.ed. São Paulo: âmbito Editores, 2002. 81-91 p.
33. Cuppari L. Guia de nutrição: nutrição clínica no adulto. São Paulo: Manole, 2005.
34. Hovan AJ. A systematic review of dysgeusia induced by cancer therapies. Support Care Cancer. 2010; 18:1081– 1087.
35. Hill O, White K. Exploring Women’s Experiences of TRAM Flap Breast Reconstruction After Mastectomy for Breast Cancer. Oncology Nursing Forum. 2008; 35(1): 81-88.
36. Schnur JB, Quellette SC, Bovbjerg DH, Montgomery GH. Breast Cancer Patients’ Experience of External-Beam Radiotherapy. Qual Health Res. 2009; 19(5): 668-676.
37. Gonçalves LLC, Lima AV, Brito ES, Oliveira MM, Oliveira LAR, Abud ACF, et al. Mulheres com câncer de mama: ações de autocuidado durante a quimioterapia. Rev. enferm. 2009; 17(4): 575-80.
38. Roque VMN, Forones NM. Avaliação da qualidade de vida e toxicidades em pacientes com câncer colorretal tratados com quimioterapia adjuvante baseada em fluoropirimidinas. Arquivos de Gastroenterologia. 2006; 43(2):94-101.
39. Sawada NO, Nicolussi AC, Okino L, Cardozo FMC, Zago MMF. Avaliação da qualidade de vida de pacientes com câncer submetidos à quimioterapia. Rev esc enferm USP. 2009; 43(3):581-7.
40. Waitzberg DL. Nutrição oral, enteral e parenteral na prática clínica. 4 ed. São Paulo:Atheneu, 2009, 1814-1815p.
41. Fearon K, Strasser F, Anker SD, Bosaeus I, Bruera E, Fainsinger RL, et al. Definition and classification of cancer cachexia: an international consensus. Lancet Oncol. 2011; 12(5):489-95.
42. McMilan DC. An inflammation-based prognostic score and its role in the nutrition-based management of patients with cancer. Proc Nutr Soc. 2008; 67(3):257-62.
43. Muscaritoli M, Anker SD, Argilés J, Aversa Z, Bauer JM, Biolo G, et al. Consensus definition of sarcopenia, cachexia and pre-cachexia: joint document elaborated by Special Interest Groups (SIG) cachexia-anorexia in chronic wasting diseases and nutrition in geriatrics. Clin Nutr. 2010; 29(2):154-9.
44. Bozzete F. Scrinio Working Group. Screen the nutritional status in oncology: a preliminary report on 1000 outpatients. Support care câncer. 2009; 17(3): 279-84.
45. Shils ME, Olson JA, Shike M, Ross AC. Tratado de nutrição moderna na saúde e na doença. 9º ed. Vol III São Paulo: Malone, 2003.
46. Canesqui AM, Garcia RWD. Antropologia e nutrição: um diálogo possível. Antropologia e Saúde. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2005. 306 p.
47. Pollock RE, Doroshow JH, David K, Akimasa N, Brian O. Manual de oncologia clínica da UICC. 8 ed. São Paulo: Fundação Oncológica de São Paulo, 2006.
48. Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Consenso Nacional de Nutrição Oncológica. Volume II. Rio de Janeiro: INCA, 2011.
49. Oliveira TA. A importância do acompanhamento nutricional para pacientes com câncer. Prática Hospitalar. 2007; ano IX(51): 150-4.
50. Colling C, Durval PA, Silveira DH. Pacientes submetidos à quimioterapia: avaliação nutricional prévia. Revista Brasileira de Cancerologia. 2012; 58(4):611-617.
51. Dias VM, Coelho SC, Ferreira FMB, Vieira GBS, Claudio MM, Silva PDG. O grau de interferência dos sintomas gastrintestinais no estado nutricional do paciente com câncer em tratamento quimioterápico. Rev Bras Nutr Clin. 2006; 21(2):104-10.
52. Alves D, Pinto M, Alves S, Mota A, Leirós V. Cultura e imagem corporal. Motricidade. 2009;5(1):1-20.
53. Damasceno VO, Lima JRP, Vianna JM, Vianna VRA, Novaes JS. Tipo físico ideal e satisfação com a imagem corporal de praticantes de caminhada. Rev Bras Med Esporte. 2005;11(3):11-18.
54. Cordas TA, Kachani AT. Nutrição em psiquiatria. Porto Alegre: Artmed, 2010.
55. Stunkard AJ, Sorensen T, Shulsiger F. Use of the Danish Adoption Register for the study of obesity and thinness. In: Kety S, Roland L, Sidman R, Mattysse S. The genetics of neurological and psychiatric disorders. New York: Raven Press; 1983. 115-120 p.
56. Sherman DK, Iacono WG, Donnelly BA. Development and validation of body rating scales for adolescents females. Int J Eat Disord. 1995;18(4):327-33.
57. Tehard B, Van Liere MJ, Com Nougué C, Clavel-Chapelon F. Anthropometric measurements and body silhouette of women: validity and perception. J Am Diet Assoc. 2002;102(12):1779-84.
58. Scagliusi FB, Alvarenga M, Polacow VO, Cordás TA, Queiroz GKOQ, Coelho D et al. Concurrent and discriminate validity of the Stunkard’s Figure Rating Scale adapted into Portuguese. Appetite. 2006;47(1):77-82.
59. Williamson DA, Kelley ML, Davis CJ, Ruggiero L, Blouin DC. Psychopathology of eating disorders: a controlled comparison of bulimic, obese, and normal subjects. J Consult Clin Psychol. 1985;53(2):161-6.
60. Williams TL, Gleaves DH, Cepeda-Benito A, Erath SA, Cororve MB. The reliability and validity of a group administered version of the body image assessment. Assessment. 2001;8(1):37-46.
61. Muñoz-Cachón MJ, Salces I, Arroyo M, Ansotegui L, Rocandio AM, Rebato E. Overweight and obesity: prediction by silhouettes in young adults. Obesity. 2008;17(3):545-9.
62. Thompson MA, Gray JJ. Development and validation of a new body-image assessment scale. J Pers Assess. 1995;64(2):258-69.
63. Wertheim EH, Paxton SJ, Tilgner L. Test-retest reliability and construct validity of Contour Drawing Rating Scale scores in a sample of early adolescent girls. Body Image. 2004;1(2):199-205.
64. Peterson M, Ellenberg D, Crossan S. Body-image perceptions: reliability of a BMI-based silhouette matching test. Am J Health Behav. 2003;27(4):355-63.
65. Smolak L. Body image in children and adolescents:where do we go from here? Body Image. 2004;1(1):15-28.
66. Hopwood P, Fletcher I, Lee A, Al Ghazai S. A body image scale for use with cancer patients. European Journal of Cancer. 2001;37(2):189–197.
67. Moreira H, Silva S, Marques A, Canavarro MC.The Portuguese version of the Body Image Scale (BIS) – psychometric properties in a sample of breast cancer patients. European Journal of Oncology Nursing. 2009;8(1):111-8.
68. Kiliç E, Taycan O, Belli AK, Ozmen M. The Effect of Permanent Ostomy on Body Image, Self-Esteem, Marital Adjustment, and Sexual Functioning. Türk Psikiyatri Dergisi. 2007;18(4):302-10.
69. Ferreira MC, Leite NGM. Adaptação e validação de um instrumento de avaliação da satisfação com a imagem corporal. Avaliação Psicológica. 2002;1(2):141-149.
70. Baxter NN, Goodwin PJ, McLeod RS, Dion R, Devins G, Bombardier C. Reliability and validity of the Body Image after Breast Cancer Questionnaire. The Breast Journal. 2006;12(3):221‑232.
71. Hormes JM, Lytle LA, Gross CR, Ahmed RL, Troxel AB, Schmitz KH. The body image and relationships scale: development and validation of a measure of body image in female breast cancer survivors. Journal of Clinical Oncology. 2008;26(8):1269‑1274.
72. Dalton EJ, Rasmussen VN, Classen CC, Grumann M, Palesh OG, Zarcone J, et al. Sexual adjustment and body image scale (SABIS): a new measurefor breast cancer patients. The Breast Journal. 2009;15(3):287‑290.
73. Secchi K, Camargo BV, Bertoldo RB. Percepção da Imagem Corporal e Representações Sociais do Corpo. Psicologia: Teoria e Pesquisa. 2009;25(2) 229-236.
74. Sonobe HM, Barichello E, Zago MMF. A visão do colostomizado sobre o uso da bolsa de colostomia. Rev bras cancerol. 2002;48(3): 341-8.
75. Reese JB, Finan PH, Haythornthwaite JA, Kadan M, Regan KR, Herman JM, et al. Gastrointestinal ostomies and sexual outcomes: a comparison of colorectal cancer patients by ostomy status. Support Care Cancer. 2014;22(2):461–468.

Downloads

Publicado

02.04.2018

Como Citar

1.
Pereira N de AC, Fortes RC. Autoimagem corporal de pacientes com câncer gastrointestinal. Com. Ciências Saúde [Internet]. 2º de abril de 2018 [citado 22º de fevereiro de 2024];26(01/02). Disponível em: https://revistaccs.escs.edu.br/index.php/comunicacaoemcienciasdasaude/article/view/162

Edição

Seção

Saúde Coletiva

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)