Curso de especialização de avaliação em saúde: uma análise a partir da translação do conhecimento

Autores

DOI:

https://doi.org/10.51723/ccs.v32i04.1115

Palavras-chave:

avaliação em saúde, educação à distância, educação em saúde

Resumo

A qualificação em Monitoramento e Avaliação (M&A) para profissionais dos diferentes níveis de gestão do SUS, associando prática e teoria, propicia o fortalecimento do campo e a sua institucionalização. Experiências de EAD, como o Curso de Avaliação em Saúde, tem se mostrado uma importante estratégia de formação, pois expande a oportunidade de as instituições de saúde qualificarem sua força de trabalho. Objetivo: discutir essa experiência a partir do arcabouço conceitual da translação do conhecimento, integrado à Teoria do Ator-Rede. Método: estudo qualitativo, de natureza descritiva, utilizando como base de análise os domínios de mediação cognitivo-pedagógico, estratégico e logístico-acadêmico. Desenvolvimento: a abordagem translacional forneceu uma teoria explicativa que subsidiou a análise crítica do curso e a reflexão sobre os processos de coprodução do conhecimento. Considerações finais: a configuração de uma rede permeável e flexível possibilitou a adoção de estratégias adaptativas e inovadoras na resolução das controvérsias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gisela Cordeiro Pereira Cardoso, Fundação Oswaldo Cruz - Fiocruz

Doutora em Saúde Coletiva pelo Instituto de Medicina Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro; Pesquisadora em Saúde Pública do Laboratório de Avaliação de Situações Endêmicas Regionais - Laser/Ensp/Fiocruz. Rio de Janeiro, Brasil.

Dolores Maria Franco de Abreu, Fundação Oswaldo Cruz - Fiocruz

Doutora em Saúde Pública pela Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca, da Fundação Oswaldo Cruz; Pesquisadora Colaboradora do Laboratório de Avaliação de Situações Endêmicas Regionais - Laser/Ensp/Fiocruz. Rio de Janeiro, Brasil.

Beatriz da Costa Soares, Fundação Oswaldo Cruz - Fiocruz

Mestre em Saúde Pública pela Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca, da Fundação Oswaldo Cruz; Assistente de Pesquisa do Laboratório de Avaliação de Situações Endêmicas Regionais - Laser/Ensp/Fiocruz. Rio de Janeiro, Brasil.

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Concurso público para provimento de vagas em cargos do plano de carreiras de ciência e tecnologia nas carreiras de planejamento, gestão e infraestrutura e desenvolvimento tecnológico. Edital nº 4, Funcab – 2014.

Organização para a Cooperação e Desenvolvimento (OCDE). Normas de Qualidade para a Avaliação do Desenvolvimento. 2016.

Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca. Coordenação de Desenvolvimento Educacional e Educação a Distância. Caderno do aluno: Curso Avaliação em Saúde. Educação a Distância. – 2ª ed. – Rio de Janeiro, RJ: CDEAD, ENSP, Fiocruz, 2019.

Ruhe V, Zumbo BD. Evaluation in distance education and e-learning: The unfolding model. Guilford Press; 2008.

Santos, e. M.; Cardoso, G.; Abreu, D. E-learning e pedagogias problematizadoras: uma experiência brasileira em ensino de Monitoramento e Avaliação. In: Pereira Neto, A.; Flynn, M. (orgs.). Internet e saúde no Brasil: desafios e tendências. 1 ed. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2020. p. 375-401.

Vilas Boas, P. A. F., Ferrari, M. M., Hellmann, A., Stephanou, M., & Jannuzzi, P. D. M. Estudo Técnico n. 22/2014. Formação em monitoramento e avaliação: a experiência da SAGI e CEGOV na capacitação de agentes públicos estaduais e municipais. 2014.

Dubeux LS, Cazarin G, Figueiró AC, Bezerra LCA, Barros M, Salvi Â, et al. Formação de avaliadores na modalidade educação a distância: necessidade transformada em realidade. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil. 2007;7:s47–52.

Brasil. Ministério da Saúde. Programa Nacional de DST e Aids: Monitor Aids. Brasília: Centers for Disease Control and Prevention, 2004.

Santos, EM. Plano Nacional de Monitoramento e Avaliação - Programa Nacional de DST e Aids: Assessoria de Monitoramento e Avaliação. Brasília: Ministério da Saúde.

Latour B. On actor-network theory: A few clarifications. Soziale welt. 1996;369–81.

Freire, P. Pedagogia do oprimido. 17 ed. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1987.

Berbel NAN. A problematização e a aprendizagem baseada em problemas: diferentes termos ou diferentes caminhos? Interface-Comunicação, Saúde, Educação. 1998; 2:139–54.

Díaz Bordenave, JE. Estrategias de enseñanza-aprendizaje: orientaciones didácticas para la docencia universitaria. IICA, 1982.

Potvin, L. Translation and Transcriation. Monitoramento e Avaliação para Ação, Seminário Internacional, Brasília, dez. 2015.

Latour B, others. Reassembling the social: An introduction to actor-network-theory. Oxford university press; 2005.

Clavier C, Sénéchal Y, Vibert S, Potvin L. A theory-based model of translation practices in public health participatory research. Sociology of health & illness. 2012;34(5):791–805.

Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca. Cardoso GCP; Abreu DMF; Santos EM; Oliveira EA; Almeida C; Soares BC; Barbosa L; Paolucci R; Lima EFF. Relatório final das iniciativas de ensino da indústria farmacêutica: o caso de Farmanguinhos. ENSP, Fiocruz, 2017.

Canadian Institute of Health Research (CIHR). Knowledge Translation—Definition. Acesso em 16 de setembro de 2021: http://www.cihr-irsc.gc.ca/e/29418.html#2

Abreu DMF de, Santos EM, Cardoso GCP, Artmann E. Usos e influências de uma avaliação: translação de conhecimento? Saúde em Debate. 2017; 41:302–16.

Cyrino EG, Toralles-Pereira ML. Trabalhando com estratégias de ensino-aprendizado por descoberta na área da saúde: a problematização e a aprendizagem baseada em problemas. Cadernos de Saúde Pública. 2004; 20:780–8.

Libâneo JC. Os significados da educação, modalidades de prática educativa e a organização do sistema educacional. Revista Inter Ação. 1992; 16(1):67–90.

Batista N, Batista SH, Goldenberg P, Seiffert O, Sonzogno MC. Problem-solving approach in the training of healthcare professionals. Revista de Saúde Pública. 2005; 39:231–7.

Venturini T, Munk A, Jacomy M. Ator-rede versus Análise de Redes versus Redes Digitais: falamos das mesmas redes? 1. Galáxia (São Paulo). 2018; 5–27.

Felisberto E. Da teoria à formulação de uma Política Nacional de Avaliação em Saúde: reabrindo o debate. Ciência & Saúde Coletiva. 2006; 11:553–63.

Hartz ZM de A, Santos EM, Matida ÁH. Promovendo e analisando o uso e a influência das pesquisas avaliativas: desafios e oportunidades ao se institucionalizar a avaliação em saúde. In: Meta-avaliação da atenção básica à saúde: teoria e prática. 2008. p. 325–40.

Felisberto E, Alves C de A, Bezerra L de A. Institucionalização da avaliação. Samico I, Felisberto E, Figueiró AC, Frias PG, organizadores Avaliação em Saúde: bases conceituais e operacionais Rio de Janeiro: Medbook. 2010;143–61.

Denis J-L. Institucionalização da avaliação na administração pública. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil. 2010; 10: s229–333.

Bezerra LCA, Felisberto E, Costa JMB da S, Hartz Z. Translação do conhecimento na qualificação da gestão da vigilância em saúde: contribuição dos estudos avaliativos de pós-graduação. Physis: Revista de Saúde Coletiva. 2019; 29.

Cousins JB, Chouinard JA. Participatory evaluation up close: An integration of researchbased knowledge. IAP; 2012.

Cousins JB, Whitmore E. Framing participatory evaluation. New directions for evaluation. 1998;1998(80):5–23.

Cardoso GCP, Oliveira EA de, Casanova AO, Toledo PP da S, Santos EM dos. Participação dos atores na avaliação do Projeto QualiSUS-Rede: reflexões sobre uma experiência de abordagem colaborativa. Saúde em Debate. 2019; 43:54–68.

Rodríguez-Campos L, Rincones-Gómez R. Collaborative evaluations: step-by-step. Stanford University Press; 2012.

Carmo RDOS, Franco AP. Da docência presencial à docência online: aprendizagens de professores universitários na educação a distância. Educação em Revista. 2019; 35.

Diaz Bordenave J. Pedagogia problematizadora na formação à distância em enfermagem. Tecnologia Educacional. 1995; 22(123):32–4.

Brasil. Ministério da Educação. Portaria nº 343, de 17 de março de 2020. Dispõe sobre a substituição das aulas presenciais por aulas em meios digitais enquanto durar a situação de pandemia do Novo Coronavírus – COVID-19. Diário Oficial da União, Brasília, DF: Ministério da Educação, 2020. Disponível em: http://www.in.gov.br/web/dou/-/portaria-n-343-de-17-de-marco-de-2020-248564376. Acesso em: 11 set. 2021.

Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca. e Programa Nacional de DST e Aids. Seminário Internacional de Monitoramento e Avaliação – Pensar Avaliação em (situ)Ação: da Teoria à Mudança de Programas. Rio de Janeiro, RJ, ENSP, Fiocruz, 2009.

Downloads

Publicado

31.12.2021

Como Citar

1.
Cordeiro Pereira Cardoso G, Maria Franco de Abreu D, da Costa Soares B. Curso de especialização de avaliação em saúde: uma análise a partir da translação do conhecimento. Com. Ciências Saúde [Internet]. 31º de dezembro de 2021 [citado 14º de julho de 2024];32(04). Disponível em: https://revistaccs.escs.edu.br/index.php/comunicacaoemcienciasdasaude/article/view/1115

Edição

Seção

Seção temática - Especialização em Avaliação em Saúde

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.