Percepção dos profissionais de enfermagem sobre o uso dos equipamentos de proteção individual na emergência

Autores

  • Klíscia Rosa de Sousa Escola Superior de Ciências da Saúde - ESCS
  • Maria Aureni de Lavor Miranda Escola Superior de Ciências da Saúde - ESCS

DOI:

https://doi.org/10.51723/ccs.v32i02.797

Palavras-chave:

Equipe de Enfermagem, Equipamentos de Proteção, Riscos Ocupacionais, Serviços Médicos de Emergência

Resumo

Introdução: Os pacientes ao serem recebidos na emergência, por vezes, sem diagnósticos preestabelecidos necessitam de cuidados. Dessa forma, todo paciente deve ser considerado potencialmente contaminado, e devido a isso, os riscos ocupacionais dos trabalhadores de enfermagem podem se tornar elevados, principalmente quando não usam Equipamento de Proteção Individual adequadamente. Sabe-se que o uso dos equipamentos é mais frequente na assistência ao paciente cujo diagnóstico é conhecido. No intuito de preservarem a vida dos pacientes, os profissionais tendem a negligenciar medidas de proteção, se expondo aos riscos pertinentes desse atendimento. Objetivo: identificar a percepção dos profissionais de enfermagem acerca dos riscos ocupacionais aos quais estão expostos e o uso de EPI no serviço de emergência. Métodos: Estudo quanti-qualitativo com 13 profissionais de enfermagem mediante entrevista em fevereiro e março de 2019. A análise dos dados quantitativos foi realizada por estatística; os dados qualitativos foram examinados pela análise de conteúdo de Bardin. Resultados: A maioria dos profissionais que participaram do estudo eram técnicos de enfermagem (54%) e 69% dos profissionais (enfermeiros e técnicos de enfermagem) atuaram na área por tempo maior ou igual a 10 anos. Delimitou-se quatro categorias temáticas. Conclusão: A percepção dos profissionais reflete déficits na prevenção à segurança da equipe e requer a ampliação da educação continuada. Ademais, ressalta-se o papel do enfermeiro na minimização dos riscos ocupacionais e a disponibilização dos equipamentos de proteção individual em locais estratégicos, de fácil acesso, como forma agilizar seu uso no serviço de emergência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Klíscia Rosa de Sousa, Escola Superior de Ciências da Saúde - ESCS

Enfermeira residente em Urgência e Trauma da Escola Superior de Ciências da Saúde da Fundação de Ensino e Pesquisa em Ciências da Saúde - ESCS/FEPECS

Maria Aureni de Lavor Miranda, Escola Superior de Ciências da Saúde - ESCS

Enfermeira, Mestre em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio Grande de Norte – UFRN. Docente da Escola Superior de Ciências da Saúde – ESCS. Brasília-DF, Brasil.

Referências

Chagas MCS, Barbosa MCN, Behling A et al. Risco ocupacional na emergência: uso de equipamentos de proteção individual (EPI) por profissionais de enfermagem. Rev enferm UFPE online., Recife, 7(2):337-44, fev., 2013. [acesso em 03 fev 2019]. doi: https://doi.org/10.5205/1981-8963-v7i2a10241p337-344-2013

Garlet ER, Lima MADS, Santos JLG, Marques GQ. Organização do trabalho de uma equipe de saúde no atendimento ao usuário em situações de urgência e emergência. Texto & contexto enferm [Internet]. 2009 Apr/June [cited 2011 Apr 19]; 18(2): 266-72. [acesso em 08 fev 2019]. Available from: http://www.scielo.br/pdf/tce/v18n2/09.pdf

Gallas SR, Fontana RT. Biossegurança e a enfermagem nos cuidados clínicos: contribuições para a saúde do trabalhador. Rev bras enferm [Internet]. 2010 Sept/Oct [cited 2012 Mar 15];63(5):786-92. [acesso em 11 fev 2019]. Available from: http://www.scielo.br/pdf/reben/v63n5/15.pdf

NR 6: Portaria nº 25 de 15 de outubro de 2001 [Internet]. D.O.U: Ministério do Trabalho e Emprego; 2001. REVOGADA pela PORTARIA n.º 25 de 15 de outubro de 2001, publicada no DOU de 17/10/01: PORTARIA N.º 05, DE 07 DE MAIO DE 1982; [revised 2001 Oct 17; [cited 2020 Feb 16]; [8.826]. [acesso em 15 fev 2019]. Available from: http://www.trabalhoseguro.com/Portarias/port_25_2001_altera_nr6.html

Spagnuolo SR, Baldo SCR, Guerrini I. Análise epidemiológica dos acidentes com material biológico registrado no centro de referência em saúde do trabalhador – Londrina – PR. Rev bras Edemiol [Internet]. 2008 June [cited 2011 Apr 11];11(2):315-23. [acesso em 15 fev 2019]. doi: https://doi.org/10.1590/S1415-790X2008000200013

Moraes ALO, Santos ASA, Bernardes KO. Notificação Dos Acidentes De Trabalho Por Exposição A Material Biológico Entre Trabalhadoras Da Saúde. Revista Pesquisa em Fisioterapia. 2016 Maio;6(2):133-147. [acesso em 20 fev 2019]. Available from: https://www5.bahiana.edu.br/index.php/fisioterapia/article/view/877

Mendes C, Sousa LA, Paixão S, Ferreira A. Riscos Ocupacionais nas Centrais de Esterilização Hospitalares. Revista Portuguesa de Saúde Ocupacional online. 2017, volume 4, 57-60. [acesso em 26 fev 2019]. doi:10.31252/RPSO.26.12.2017

Guimarães EAA, Araújo GD, Bezerra R, Silveira RC, Oliveira VC. Percepção de técnicos de enfermagem sobre o uso de equipamentos de proteção individual em um serviço de urgência. Cienc enferm [Internet]. 2011 Dec [cited 2011 Apr 15];17(3):113-23. [acesso em 26 fev 2019]. Available from: http://www.scielo.cl/pdf/cienf/v17n3/art10.pdf

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Exposição a materiais biológicos. Brasília: 2006. [acesso em 26 fev 2019]. Available from: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/protocolo_expos_mat_biologicos.pdf

Simão SAF, Souza V, Borges RAA, Soares CRG, Cortez EA. Fatores associados aos acidentes biológicos entre profissionais de enfermagem. Cogitare enferm [Internet]. 2010 Jan/Mar [cited 2011 May 13];15(1):87-91. [acesso em 21 fev 2019]. Available from: http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs2/index.php/cogitare/article/view/17177/11312

Silva MKD, Zeitoune RCG. Riscos ocupacionais em um setor de hemodiálise na perspectiva dos trabalhadores da equipe de enfermagem. Esc Anna Nery Rev Enferm [Internet]. 2009 Apr/June [cited 2011 Mar 19];13(2):279-86. [acesso em 22 fev 2019]. Available from: http://www.scielo.br/pdf/ean/v13n2/v13n2a07.pdf

Alves D, Filh DFF, Henrique A. O Poderoso NVivo: uma introdução a partir da análise de conteúdo. Revista Política Hoje 2015 24(2): 119-134. [acesso em 18 fev 2019]. Available from: https://periodicos.ufpe.br/revistas/politicahoje/article/view/3723

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. [acesso em 16 fev 2019]. Available from: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf.

NR-10. Ministério do Trabalho e Emprego (BR) - Portaria n.º 3.214, de 08 de junho de 1978. [acesso em 16 fev 2019]. Available from: https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra;jsessionid=9CFA236F73433A3AA30822052EF011F8.proposicoesWebExterno1?codteor=309173&filename=LegislacaoCitada+-INC+5298/2005.

Brasil. Ministério da Saúde. Classificação de risco dos agentes biológicos. Brasília: Editora MS.[Internet]. 2010. [cited 2011 June 15]. [acesso em 20 mar 2019]. Available from: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/classificacao_risco_agentes_biologicos_2ed.pdf

Brasil. Ministério do Trabalho e Emprego. Portaria nº 485, de 11 de novembro de 2005. Aprova a Norma Regulamentadora nº 32. Brasília: Ministério do Trabalho e Emprego; 2005. [acesso em 20 mar 2019]. Available from: https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra;jsessionid=A0DFC9671C271F924ED67242202671FC.node2?codteor=726447&filename=LegislacaoCitada+-PL+6626/2009

Brasil. Ministério da Saúde. Manual de condutas – Exposição Ocupacional a material Biológico: Hepatite e HIV. Coordenação nacional de DST e AIDS. Brasília: Editora MS [Internet]. 2000. [cited 2009 July 12]. [acesso em 22 mar 2019]. Available from: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_condutas_hepatite_hiv.pdf

Martins JT, Bobroff MCC, Andrade AN, Menezes GDO. Equipe de enfermagem de emergência: riscos ocupacionais e medidas de autoproteção. Ver enferm UERJ, Rio de Janeiro, 2014 mai/jun; 22(3):334-0. [acesso em 20 mar 2019]. Available from: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/enfermagemuerj/article/view/13690

Rieth GH, Loro MM, Stumm EMF et al. Uso de equipamentos de proteção individual pela enfermagem em uma unidade de emergência hospitalar. Rev enferm UFPE online., Recife, 8(2):365-71, fev, 2014. [acesso em 27 mar 2019]. doi:https://doi.org/10.5205/1981-8963-v8i2a9683p365-371-2014

Downloads

Publicado

09.07.2021

Como Citar

1.
Sousa KR de, Miranda MA de L. Percepção dos profissionais de enfermagem sobre o uso dos equipamentos de proteção individual na emergência. Com. Ciências Saúde [Internet]. 9º de julho de 2021 [citado 24º de junho de 2024];32(02). Disponível em: https://revistaccs.escs.edu.br/index.php/comunicacaoemcienciasdasaude/article/view/797

Edição

Seção

Saúde Coletiva

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)