Educação Profissional em Saúde no Distrito Federal

perspectiva histórica e interface com a formação atual

Autores

  • Ena de Araújo Galvão Escola Técnica de Saúde de Brasília - ETESB
  • Anelice da Silva Batista Escola Superior de Ciências da Saúde - ESCS https://orcid.org/0000-0003-2546-6758
  • Maria Aureni de Lavor Miranda Escola Técnica de Saúde de Brasília - ETESB

DOI:

https://doi.org/10.51723/ccs.v32i03.1089

Palavras-chave:

Educação Profissional em Saúde, Educação em Saúde, Educação permanente, Instituições Acadêmicas, Sistema Único de Saúde

Resumo

O texto apresenta o aspecto histórico e a abordagem atual da Educação Profissional em Saúde e discute os desafios da formação profissional, no mundo do trabalho. Tem como objetivo apresentar os aspectos relevantes das políticas públicas para a formação técnica em saúde no Brasil. Relata uma experiência substanciado pelas vivências das autoras, sua participação efetiva como gestoras e a atuação no campo da formação específica da Educação Profissional em Saúde. Os resultados apontam que o Projeto Larga Escala, o Projeto de Formação dos Trabalhadores da Área da Enfermagem, o Programa de Formação de Profissionais de Nível Médio para a Saúde, a Política de Educação Permanente em Saúde e a criação das Escolas Técnicas do Sistema Único de Saúde, favoreceram de maneira efetiva, a estruturação da formação profissional em saúde no Brasil. Destaca-se, aqui, a singularidade da Escola Técnica de Saúde Brasília, por ocasião dos seus 61 anos de existência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ena de Araújo Galvão, Escola Técnica de Saúde de Brasília - ETESB

Pedagoga. Especialista em Educação Tecnológica e Mestre em Saúde Coletiva pela Universidade de Brasília - UnB.

Anelice da Silva Batista, Escola Superior de Ciências da Saúde - ESCS

 Doutora em Educação pela Universidade de Brasília - UnB. Pedagoga. Chefe do Núcleo de Especialização e Extensão da ESCS.

Maria Aureni de Lavor Miranda, Escola Técnica de Saúde de Brasília - ETESB

Mestre em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN. Pedagoga. Enfermeira da Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal - SESDF.

Referências

Rede Internacional de Educação de Técnicos em Saúde – RETS, criada em 1996 [Internet]. 2012 [acesso em 2021 jul 05]. Disponível em: https://www.rets.epsjv.fiocruz.br/.

Pronko M, Stauffer A, Corbo AM, Lima JC, Reis R. A Formação de trabalhadores técnicos em saúde no Brasil e no Mercosul. Rio de Janeiro: ESPJV; 2011.

I Seminário Internacional Formação de Trabalhadores Técnicos em Saúde no Brasil e no Mercosul; 2008: 24-26. Rio de Janeiro: ESPJV; 2008.

Brasil. Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996 [Internet]. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. 1996 dez 23 [acesso em 2021 abr. 05] Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm.

Brasil. Decreto nº 5.154 de 23 de julho de 2004 [Internet]. Regulamenta o § 2º do art.36 e os arts. 39 a 41 da Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. 2004 jul 26 [acesso em 2021 abr 05]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/decreto/d5154.htm.

Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 [Internet]. Brasília, DF; 1988 [acesso em 2021 abr. 05]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm.

Brasil. Parecer CNE/CEB nº 11 de 2000, aprovado em 10 de maio de 2000. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos. Brasília, DF; 2004.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria Ministerial nº 2.970, de 25 de novembro de 2009 [Internet]. Institui a Rede de Escolas Técnicas do SUS (RETSUS) e dispõe sobre as diretrizes para a sua organização. Brasília, DF; 2009 [acesso em 2021 abr 05]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2009/prt2970_25_11_2009.html.

Rodrigues, TM. Políticas de educação profissional em saúde. Projeto Larga Escala e Educação Permanente: uma análise comparativa [dissertação]. Univali. SC: Programa de Pós-graduação em Saúde e Gestão do Trabalho e da Educação em Saúde; 2009.

Bittar SFG. A formação profissional do auxiliar de enfermagem: a experiência do Projeto Larga Escala no Município de Natividade/RJ [dissertação]. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública; 2009.

Brasil. Ministério da Saúde. Avaliação Institucional do PROFAE: principais resultados até dezembro de 2002 [Internet]. Brasília, DF; 2008 [acesso em 2021 abr 05]. Disponível em: https://www.nepp.unicamp.br/upload/documents/publicacoes/d80cb46fbe06e284ab0933de8ca1daa5.pdf.

Galvão EA. As Escolas Técnicas do SUS: memórias e especificidades. Brasília; 2019. 133 p.

Ferreira MA, Oliveira BGRB, Porto IS, Anhorn CG, Castro JBA. O Significado do PROFAE segundo os alunos: contribuição para a construção de uma política pública de formação profissional em saúde. Texto Contexto Enferm [Internet]. 2007 [acesso em 2021 abr 05];16(3):445-52. Disponível em: https://www.scielo.br/j/tce/a/RncnHsnn7wR6ZfhRy6gjgYg/?format=pdf&lang=pt.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria GM nº 3.189 de 18 de dezembro de 2009 [Internet]. Dispõe sobre as diretrizes para a implementação do Programa de Formação de Profissionais de Nível Médio para a Saúde – PROFAPS. Brasília, DF; 2009 [acesso em 2021 abr 05]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2009/prt3189_18_12_2009.html.

Gottems LBD. Profissionalização dos Trabalhadores da área da Enfermagem: avanços vivenciados pelas escolas de formação profissional de nível técnico no Brasil [dissertação]. Brasília: Universidade de Brasília; 2004.

Rovere MR. Gestión de la educación permanente: uma relectura desde uma perspectiva estratégica. Educación Médica Y Salud [Internet]. 1993 [acesso em 2021 abr 05];27(4):489-515. Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/pah-16342.

Ramos MN. Trabalho, educação e correntes pedagógicas no Brasil.: um estudo a partir da formação dos trabalhadores técnicos de saúde. Rio de Janeiro: ESPJV; 2010.

Davini MC. Enfoques, problemas e perspectivas na educação permanente dos recursos humanos de saúde. In: Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Educação Permanente. Brasília; DF. Série Pacto pela Saúde 2006, v. 9, p. 39-59.

Brasil. Distrito Federal. Lei Distrital nº 2.676 de 12 de janeiro de 2001 [Internet]. Dispõe sobre a criação da Fundação de Ensino e Pesquisa em Ciências da Saúde. Brasília, DF; 2001 [acesso em 2021 abr 05]. Disponível em: http://www.fepecs.edu.br/arquivos/Lei2676de12_01_2001.pdf.

Azevedo JC, Reis JT. Reestruturação do ensino médio: pressupostos teóricos e desafios da prática. São Paulo: Fundação Santillana; 2013.

Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CEB nº 04 /2009 [Internet]. Institui as diretrizes curriculares nacionais para a educação profissional de nível técnico. Brasília, DF; 2009 [acesso em 2021 abr 05]. Disponível em: https://www.gov.br/mec/pt-br/media/seb-1/pdf/leis/resolucoes_cne/copy_of_legisla_tecnico_resol0499.pdf.

Barbosa EF, Moura DG. Metodologias ativas na aprendizagem na educação profissional e tecnológica. Bol Tec Senac [Internet]. 2013 [acesso em 2021 abr 05];39(2):48-67. Disponível em: https://www.bts.senac.br/bts/article/view/349/333.

Brasil. Conselho Federal de Educação. Parecer nº 699, aprovado em 6 de julho de 1972 [Internet]. Regulamenta o Ensino Supletivo. Brasília, DF; 1972 [acesso em 2021 abr 05]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/.

Downloads

Publicado

24.09.2021

Como Citar

1.
Galvão E de A, Batista A da S, Miranda MA de L. Educação Profissional em Saúde no Distrito Federal: perspectiva histórica e interface com a formação atual. Com. Ciências Saúde [Internet]. 24º de setembro de 2021 [citado 21º de abril de 2024];32(03). Disponível em: https://revistaccs.escs.edu.br/index.php/comunicacaoemcienciasdasaude/article/view/1089

Edição

Seção

Reflexões em educação e saúde: a experiência da Fepecs e suas escolas