Jogos dramáticos e a saúde mental do docente

Autores

DOI:

https://doi.org/10.51723/ccs.v29i04.330

Palavras-chave:

Saúde Mental, Docentes de Enfermagem, Educação Superior, Psicodrama, Educação em Saúde

Resumo

Resumo

Objetivo: proporcionar espaço de vivência de docentes que atuam em uma instituição educacional de saúde, no curso de graduação em Enfermagem, com a utilização de jogos dramáticos. Método: embasamento teórico da Metodologia da Problematização, Arco de Maguerez e jogos dramáticos. Com 18 docentes, em março de 2014. Resultado: a experiência foi de descontração com participação ativa do grupo e compartilhamento entre os docentes sobre sua atividade com o estudante, seus anseios, suas dúvidas e atuação de forma mais prática e reflexiva. Considerações finais: proporcionou reavaliação sobre sua atuação e favoreceu um empoderamento diante dos desafios na adoção da Metodologia da Problematização.

Palavras-chaveDescritores: Saúde Mental. Docentes de enfermagem. Educação Superior. Psicodrama. Educação em Saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edilaine Cristina Silva Gherardi-Donato, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo.

Graduada em Enfermagem pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto USP. Mestrado em Enfermagem Psiquiátrica pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto USP. Doutorado em Enfermagem Psiquiátrica pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto USP com período sanduíche na Universidad Autónoma de Querétaro - México. Pós-Doutorado pela University of Alberta - Canadá. Instrutora de Mindfulness pelo Mindfulness Trainings International (MTi). Professora Associada (desde 2013) e Chefe do Departamento de Enfermagem Psiquiátrica e Ciências Humanas da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto USP (2016-2018). Pesquisadora atuante na linha de pesquisa Promoção de Saúde Mental e Uso e Abuso de Álcool e Drogas, com enfoque nas temáticas: Mindfulness, Estresse, Saúde Mental e Uso de Drogas. Líder do Grupo de Estudos e Pesquisa em Saúde Mental - GEPEMEN (desde 2009). Coordenadora do Centro de Mindfulness e Terapias Integrativas da EERP-USP. Membro do Capítulo Rho Upsilon da Sociedade Honorífica Sigma Theta Tau International e da Sociedade Brasileira de Enfermagem Forense (SOBEF). Membro da Society for Neuroscience (SfN) e da American Association of Neuroscience Nurses. Editora Associada da Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool e Drogas SMAD

Frederico Caetano Moura, Centro de Ensino Unificado de Brasília. Graduando em Medicina.

Acadêmico de medicina do UniCEUB ,ex membro da diretoria do Centro Acadêmico de medicina do UniCEUB, participou da fundação da Liga Acadêmica de Bases Cirúrgicas do UniCEUB , ex membro efetivo da Liga Acadêmica de Bases Cirúrgicas do UniCEUB.

Manuela Costa Melo, Escola Superior em Ciências da Saúde - ESCS

Graduada em Enfermagem pela Universidade Estadual de Santa Cruz (1995). Especialista em Educação em Saúde Pública (1998) , Saúde Perinatal, Educação e Desenvolvimento do Bebê (2001) e Educação e Promoção da Saúde (2005). Mestrado em Ciências da Saúde pela Universidade de Brasília (2010). Doutorado no Programa de Pós graduação em Enfermagem pela Universidade de Brasília (2013-2017). ) Diretora do Centro de Educação em Enfermagem da Associação Brasileira de Enfermagem - Seção Distrito Federal (2016-2019). Enfermeira Assistencial da Secretaria de Saúde do Distrito Federal. Docente de Enfermagem da Escola Superior em Ciências da Saúde. Coordenadora do Grupo de Pesquisas em Metodologias Ativas -GPMA (2016) e Grupo de Estudos e Pesquisas em Enfermagem na Saúde da Criança e do Adolescente - GEPESCA, da Escola Superior em Ciências da Saúde do Distrito Federal. Orienta estudantes da graduação, iniciação científica e programa de residência. Experiência na área de Enfermagem, atuando principalmente nos seguintes temas: atenção à saúde da criança e sua família, enfermagem pediátrica, metodologias ativas. Participo da Comissão Organizadora e Técnico-Científica do evento intitulado:Simpósio de Metodologias Ativas na Educação.

Maria Aparecida Gussi, Universidade de Brasília

Graduação em Enfermagem e Obstetrícia pela Universidade do Sagrado Coração (1980), mestrado em Enfermagem Psiquiátrica pela Universidade de São Paulo (1987) e doutorado em Ciencias da Saude pela Universidade de Brasília (2008). Atualmente faz parte da equipe do Hospital Universitário de Brasília - Programa de Atendimento ao Alcoolismo e professor adjunto 01 na Universidade de Brasília. Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Enfermagem Psiquiátrica, atuando principalmente nos seguintes temas: enfermagem psiquiátrica, alcoolismo e ensino enfermagem.

Fátima Aparecida Cardoso, Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal

Possui graduação em Enfermagem e Obstetrícia pela Universidade Católica de Goiás (1985) e mestrado pela Universidade de Brasília (2002). Atualmente é sim do Centro de Ensino de Brasilia e enfermeira da Secretária do Estado de Saúde do Distrito Federal. Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Enfermagem Pediátrica, atuando principalmente nos seguintes temas: criança, família, jogos dramáticos - enfermgem -pediatria, humanização, crianças, enfermagem, historia, unb e adolescente , saúde, idosos e professores.

Referências

1. Pereira IAF, Lages I. Diretrizes curriculares para a formação de profissionais de saúde: competências ou práxis? Trab. Educ. Saúde (Rio de Janeiro). 2013 [Acesso em: 10 mar 2018]; 11(2): 319-338. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1981-77462013000200004
2. Cárdenas Becerril L, Martínez Talavera BE, Arana Gómez BM. Desarrollo del pensamiento reflexivo y crítico en estudiantes de enfermería: evidencia de una universidad pública mexicana. Rev. Urug. Enferm. 2017 [Acesso em: 14 mar 2018]; 12(1):2-19. Disponível em: http://rue.fenf.edu.uy/index.php/rue/article/view/211/205
3. Sobral FR, Campos CJG. The use of active methodology in nursing care and teaching in national productions: an integrative review. Rev. Esc. Enferm. USP. 2012 [Acesso em: 21 out 2017]; 46(1):208-218. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext& pid=S0080-62342012000100028&lng=en.http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342012000100028
4. Moura AS, Machado DM. A utilização de metodologias ativas no ensino do cuidar em saúde. In: França FCV, Melo MC, Monteiro SNC, Guilhem D. O processo de ensino e aprendizagem de profissionais de saúde: metodologia da problematização por meio do Arco de Maguerez. Brasília: Faculdade de Ciências da Saúde, Universidade de Brasília; 2016.
5. World Health Organization (WHO). Atlas: Mental Health Resources in the World: 2001. Genebra: WHO; 2001. Disponível em: http://www.who.int/mental_health/publications/mh_ atlas_profiles_2001/en/
6. Marques ADB, Branco JGO, Cavalcante, Santos LMD, Catrib AMF, Amorim RF. Research-action in the perspective of nursing in environmental education: from theory to practice. J. Nurs. UFPE on line. 2016 [Acesso em: 08 jan 2018];10(3):1155-1161. Disponível em: http://www.revista.ufpe.br/revistaenfermagem/index.php/revista/ article/view/9076/ pdf_9912
7. Berbel NAN. Metodologia da problematização com o Arco de Maguerez: uma reflexão teórico-epistemológica. Londrina: UEL; 2012.
8. Bordenave JD, Pereira AM. Estratégias de ensino-aprendizagem. 32. ed. Rio de Janeiro: Petrópolis: Vozes; 2012.
9. Monteiro RF. Jogos dramáticos. São Paulo: Ágora; 1994.
10. Moreno JL. Psicodrama. São Paulo: Cultrix; 1978.
11. Mariano ASL. A aprendizagem da docência no início da carreira: qual política? Quais problemas? Revista Exitus. 2012 [Acesso em: 10 mar 2018];2(1):79-94. Disponível em: http://www.ufopa.edu.br/portaldeperiodicos/index.php/revistaexitus/article/view/67
12. Prado ML, Velho MB, Espíndola DS, Sobrinho SH, Backes VMS. Arco de Charles Maguerez: refletindo estratégias de metodologia ativa na formação de profissionais de saúde. Esc. Anna Nery Rev. Enferm. 2012 [Acesso em: 10 mar 2018];16(1):172-177. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-8145201 2000100023
13. D’Ávila CM, Veiga IPA. Profissão docente na educação superior. Curitiba: CRV; 2013.
14. Moreno JL. O teatro da espontaneidade. São Paulo: Summus; 1984.
15. Arbex APS, Souza KR, Mendonça ALO. Trabalho docente, readaptação e saúde: a experiência dos professores de uma universidade pública. Physis. 2013 [Acesso em: 10 mar 2018];23(1):263-284. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312013000100015

Downloads

Publicado

24.07.2019

Como Citar

1.
Moura AS, Gherardi-Donato ECS, Moura FC, Melo MC, Gussi MA, Cardoso FA. Jogos dramáticos e a saúde mental do docente. Com. Ciências Saúde [Internet]. 24º de julho de 2019 [citado 22º de fevereiro de 2024];29(04). Disponível em: https://revistaccs.escs.edu.br/index.php/comunicacaoemcienciasdasaude/article/view/330

Edição

Seção

Educação

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)