Idade gestacional, índice de Apgar e peso ao nascer no desfecho de recém-nascidos prematuros

Autores

  • Murilo Neves de Queiroz Hospital Materno Infantil de Brasília - HMIB/SES-DF
  • Tabatha Gonçalves Andrade Castelo Branco Gomes HMIB - SES/DF
  • Alessandra de Cássia Gonçalves Moreira Hospital Materno Infantil de Brasília - HMIB/SES-DF

DOI:

https://doi.org/10.51723/ccs.v29i04.294

Palavras-chave:

Peso ao Nascer, Índice de Apgar, Taxa de Sobrevida, Unidades de Terapia Intensiva Neonatal, Recém-Nascido Prematuro

Resumo

Objetivo: caracterizar o perfil dos recém-nascidos prematuros do Hospital Materno Infantil de Brasília e o seu desfecho hospitalar. Métodos: estudo retrospectivo descritivo com RNs prematuros de 24 semanas a 36 semanas e 6 dias nascidos vivos nesse hospital em 2015; a amostra foi dividida de acordo com a idade gestacional, o peso de nascimento e o índice de Apgar e a evolução do recém-nascido foi avaliada em relação ao Apgar, a necessidade de UTI neonatal, alta hospitalar ou óbito. Resultados: dos 619 recém-nascidos, 233 (37,6%) foram internados em UTIN. A prematuridade extrema ocorreu em 8,4% dos nascimentos (52/619) e foi responsável por mais da metade dos óbitos da mortalidade geral, que foi de 9,9% (61/619). Apesar da alta demanda de internação em UTIN, RNs com baixo peso de nascimento apresentaram mortalidade inferior à 5%. Índice de Apgar no 5º minuto refletiu mortalidade superior a 90%. Conclusão: O perfil dos prematuros desse hospital é composto por prematuridade tardia, baixo peso ao nascer e Apgar elevado no 1º e 5º minutos, com mais de 60% dos RNs necessitando de internação em UTIN e sobrevida geral superior a 90%.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. World Health Organization. Born too soon: the global action report on preterm birth. Geneva: WHO; 2012.
2. Lawn J, Kerber K, Enweronu-Laryea C, Cousens S. 3,6 million neonatal deaths-What is a progressing and what is not? Semin Perinatol 2010; 34(6):371-386.
3. World Health Organization. Preterm birth. Fact sheet N°363. Updated November 2015.
4. Brasil. UNICEF. Consultoria: pesquisa para estimar a prevalência de nascimentos pré-termo no Brasil e explorar possíveis causas. [Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia UFdP]. Pelotas: UNICEF BRASIL; 2013.
5. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Coordenação Geral de Informação e Análise Epidemiológica. Manual de vigilância do óbito infantil e fetal e do comitê de prevenção do óbito infantil e fetal. Brasília: Ministério da Saúde; 2009. 77p.
6. Bittar RE, Fonseca EB, Zugaib M. Prediction and prevention of preterm delivery. Femina. 2010;38(1):13-22.
7. De Hart MP. Racial differences in Apgar scores and mortality and morbidity in low birthweight infants [dissertation]. Baltimore (MD): Johns Hopkins University; 1994.
8. APGAR V. A proposal for a new method of evaluation of the newborn infant. Curr Res Anesth Analg. 1953;32(4):260-7.
9. Araújo BF, Tanaka ACD. Fatores de risco associados ao nascimento de recém-nascidos de muito baixo peso em uma população de baixa renda. Cad de Saúde Pública 2007; 23(12):2869-77.
10. Franciotti D, Mayer G, Cancelier AC. Fatores de risco para baixo peso ao nascer: um estudo de caso-controle. Arq Cat de Medicina 2010, vol. 39, nº3.
11. Castro, MP de; Rugolo, LMSS; Margotto, PR Sobrevida e morbidade em prematuros com menos de 32 semanas de gestação na região central do Brasil. Rev. bras. ginecol. obstet, Rio de Janeiro, 2012, 34(5), 235–242.
12. Oliveira TG, Freire PV, Moreira FT, Moraes JS, Arrelaro RC, Rossi S, et al. Escore de Apgar e mortalidade neonatal. Einstein. 2012;10(1):22-8.
13. Casey BM, McIntire DD, Leveno KJ. The continuing value of the Apgar score for the assessment of newborn infants. N Engl J Med. 2001;344(7):467-71.
14. Almeida MF, Guinsburg R, Martinez FE, Procianoy R, Leone C, Marba S, et al. Fatores perinatais associados ao óbito precoce em prematuros nascidos nos centros da Rede Brasileira de Pesquisas Neonatais. J. Pediatr. (Rio J.) 2008 jul-ago; 84(4): 300-307.
15. Lages CD, Oliveira JC, Cunha KJ, Silva N, Santos TM. Fatores preditores para a admissão do recém-nascido na unidade de terapia intensiva. Rev Rene. 2014 jan-fev; 15(1): 3-11.
16. Beck S, Wojdyla D, Say L, Betran AP, Merialdi M, Requejo JH, et al. The worldwide incidence of preterm birth: a systematic review of maternal mortality and morbidity. Bull World Health Organ. 2010 Jan;88(1):31-8
17. Base de Dados: Ministério da Saúde - Datasus [homepage na internet]. [acesso em 15/05/2016]. Disponível em: http:// www.datasus.gov.br/.
18. Instituto de Pesquisas Econômicas e Aplicadas; Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística; Brasil. Presidência da República. Objetivos de Desenvolvimento do Milênio: Relatório Nacional de Acompanhamento. [S.l.], 2014.
19. Oliveira GC. Análise do catch-up de crescimento de uma coorte de recém-nascidos prematuros [dissertação]. Cuiabá: Instituto de Saúde Coletiva da UFMT; 2015.

Downloads

Publicado

24.07.2019

Como Citar

1.
Queiroz MN de, Gomes TGACB, Moreira A de CG. Idade gestacional, índice de Apgar e peso ao nascer no desfecho de recém-nascidos prematuros. Com. Ciências Saúde [Internet]. 24º de julho de 2019 [citado 15º de abril de 2024];29(04). Disponível em: https://revistaccs.escs.edu.br/index.php/comunicacaoemcienciasdasaude/article/view/294

Edição

Seção

Clínica Assistencial

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)