Programa mais médicos: análise a partir de um modelo lógico

Autores

  • Alessandra de Cássia Gonçalves Moreira Escola Superior de Ciências da Saúde - ESCS
  • Elenilde Pereira da Silva Ribeiro Costa Escola Superior de Ciências da Saúde - ESCS
  • Renata de Paula Almeida Escola Superior de Ciências da Saúde - ESCS
  • Tatiane Boaretto Constâncio Escola Superior de Ciências da Saúde - ESCS
  • Leila Bernarda Donato Gottems Escola Superior de Ciências da Saúde - ESCS
  • Alessandra Arrais Escola Superior de Ciências da Saúde - ESCS
  • Maria Liz Cunha de Oliveira Escola Superior de Ciências da Saúde - ESCS

DOI:

https://doi.org/10.51723/ccs.v28i03/04.271

Palavras-chave:

Programas Médicos Regionais, Distribuição de médicos, Avaliação de Programas e Projetos de Saúde.

Resumo

Objetivo: Aplicar o modelo lógico ao Programa Mais Médicos e pré-avaliar o programa do Distrito Federal.
Método: Aplicação do modelo lógico ao Programa mais médicos e análise quantitativa de dados do programa do Distrito Federal. Os indicadores foram acompanhados anualmente, para o Brasil e para o Distrito Federal, de 2013 a 2015 e as demais variáveis no período anterior (Janeiro/2011 a Julho/2013) e posterior (Agosto/2013 a Dezembro/2015) à adesão do Distrito Federal ao Programa Mais Médicos.
Resultados: Metas, atividades e produtos não foram identificados na construção do modelo lógico. As variáveis e indicadores analisados demonstraram, de forma geral, sugestão de ganhos positivos com a implantação do programa no Distrito Federal. Houve aumento em 32% da cobertura populacional por equipes da atenção básica, aumento do número de médicos e equipes na Estratégia Saúde da Família (p< 0,001), melhora da cobertura de pré-natal e de consultas aos maiores de 60 anos (p<0,001), além de aumento de visitas médicas domiciliares (p<0,005).
Conclusão: Com relação a construção do Programa Mais médicos, faltam aspectos importantes do ponto de vista estrutural de um projeto, porém no Distrito Federal conseguimos observar resultados significativos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alessandra de Cássia Gonçalves Moreira, Escola Superior de Ciências da Saúde - ESCS

Mestranda do Programa de Mestrado Profissional em Ciências da Saúde da Escola Superior de Ciências da Saúde (ESCS). Brasília (DF), Brasil

Elenilde Pereira da Silva Ribeiro Costa, Escola Superior de Ciências da Saúde - ESCS

Mestranda do Programa de Mestrado Profissional em Ciências da Saúde da Escola Superior de Ciências da Saúde (ESCS). Brasília (DF), Brasil

Renata de Paula Almeida, Escola Superior de Ciências da Saúde - ESCS

Mestranda do Programa de Mestrado Profissional em Ciências da Saúde da Escola Superior de Ciências da Saúde (ESCS). Brasília (DF), Brasil

Tatiane Boaretto Constâncio, Escola Superior de Ciências da Saúde - ESCS

Mestranda do Programa de Mestrado Profissional em Ciências da Saúde da Escola Superior de Ciências da Saúde (ESCS). Brasília (DF), Brasil

Leila Bernarda Donato Gottems, Escola Superior de Ciências da Saúde - ESCS

Doutora em Administração pela Universidade de Brasília. Professora do Programa de Mestrado Profissional em Ciências da Saúde da Escola Superior de Ciências da Saúde (ESCS). Brasília (DF), Brasil

Alessandra Arrais, Escola Superior de Ciências da Saúde - ESCS

Doutora em Psicologia pela Universidade de Brasília. Professora do Programa de Mestrado Profissional em Ciências da Saúde da Escola Superior de Ciências da Saúde (ESCS). Brasília (DF), Brasil.

Maria Liz Cunha de Oliveira, Escola Superior de Ciências da Saúde - ESCS

Doutora em Ciências da Saúde pela Universidade de Brasília. Professora do Programa de Mestrado Profissional em Ciências da Saúde da Escola Superior de Ciências da Saúde (ESCS). Brasília (DF), Brasil

Referências

1. Ceccim RB, Pinto LF. A formação e especialização de profissionais de saúde e a necessidade política de enfrentar as desigualdades sociais e regionais. Rev. bras. educ. med. 2007 Dez; 31(3): 266-277.
2. Brasil. Conselho Nacional de Secretários da Saúde. Nota Técnica 23/ 2013: Programa Mais Médicos. Julho de 2013. Disponível em: <http://www.conass.org.br/Notas%20t%C3%A9cnicas%202013/NT%2023-2013%20-%20Programa%20Mais%20Me%CC%81dicos.pdf>. Acesso em: 18 nov. 2016.
3. Scheffer, M. Demografia Médica no Brasil. Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo, 2013 fev; 2: 1-256. Disponível em: <http://www.cremesp.org.br/pdfs/DemografiaMedicaBrasilVol2.pdf>. Acesso em: 20 nov. 2016
4. DIEESE/SEADE-SP/MTE-FAT/STb-GDF. Relatório Analítico Final da Pesquisa Socioeconômica em Territórios de Vulnerabilidade Social no Distrito Federal. Disponível em: <https://www.dieese.org.br/relatoriotecnico/2010/produto6.pdf>. Acesso em: 28 nov. 2016.
5. Alessio MM. Análise da implantação do Programa Mais Médicos. 2015. 89 f., il. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) - Universidade de Brasília, Brasília, 2015.
6. Brasil. Lei nº 12.871 de 22 de outubro de 2013. Institui o Programa Mais Médicos, altera as Leis n. 8.745, de 9 de dezembro de 1993, e n. 6.932, de 7 de julho de 1981, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 out. 2013.
7. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Programa mais médicos – dois anos: mais saúde para os brasileiros. Brasília, DF, 2015. Disponível em: <http://maismedicos.gov.br/conheca-programa>. Acesso em: 20 de nov. 2016.
8. Brasil. Ministério da Saúde e Educação. Portarias interministerial (MEC/Ministério da Saúde) nº 1.127 de agosto de 2015.
9. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de atenção à saúde. Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde. 2016. Disponível em: <http://cnes2.datasus.gov.br/Mod_Ind_Equipes.asp>. Acesso em 16 nov. 2016.
10. Bezerra LCA, Cazarin G, Alves CKA. Modelagem de programas: da teoria à operacionalização. In: SAMICO, I. et al. (Org.). Avaliação em saúde: bases conceituais e operacionais. Rio de Janeiro: Med. Book, 2010.
11. Brasil. Ministério da Saúde. Relatório de Gestão dos Termos de Cooperação 2015 (website). 2016. Disponível em: <http://www.paho.org/bra/images/stories/GCC/relatorio_gestao_2_sem_2015_atualizado.pdf>. Acesso em: 15 nov. 2016.
12. Brasil. Ministério da Saúde. Programa mais médicos (website). 2016b. Disponível em: < http://maismedicos.gov.br/legislacao>. Acesso em: 11 nov. 2016.
13. Brasil. Ministério da Educação (website). 2016. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/>. Acesso em 20 dez 2016.
14. Cassiolato M., Gueresi S. Como elaborar Modelo Lógico: roteiro para formular programas e organizar avaliação, Nota Técnica, Brasília: IPEA 2010. Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=5134>. Acesso em: 20 nov. 2016.
15. Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Informática do SUS – DATASUS (website). 2016. Disponível em: <http://tabnet.datasus.gov.br>. Acesso em: 24 nov. 2016.
16. Brasil. Ministério da Educação. Sistema da Comissão Nacional de Residência Médica. 2016g. Disponível em: http://siscnrm.mec.gov.br/
17. Santos LMP, Costa AM, Girardi SN. Programa Mais Médicos: uma ação efetiva para reduzir iniquidades em saúde. Ciência & Saúde Coletiva, v. 20, n. 11, p. 3547-3552, 2015.
18. Caminal J, Starfield B, Sanchez E, Casanova C, Morales M. The role of primary care in preventing ambulatory care sensitive conditions. Eur. J. Public Health, v.14, n.3, p.246-51, 2004.
19. Brasil. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Brasília: Ministério da Saúde, 2012.
20. Brasil. Contas abertas. Mais Médicos tem orçamento de R$ 1,9 bilhões em 2014. Disponível em: <http://www.contasabertas.com.br/website/arquivos/7779>. Acesso em: 16 dez. 2016.

Downloads

Publicado

23.08.2018

Como Citar

1.
Moreira A de CG, Costa EP da SR, Almeida R de P, Constâncio TB, Gottems LBD, Arrais A, Oliveira MLC de. Programa mais médicos: análise a partir de um modelo lógico. Com. Ciências Saúde [Internet]. 23º de agosto de 2018 [citado 24º de maio de 2024];28(03/04):291-302. Disponível em: https://revistaccs.escs.edu.br/index.php/comunicacaoemcienciasdasaude/article/view/271

Edição

Seção

Saúde Coletiva