Mortalidade na infância no Brasil e regiões no período de 2000 a 2011:

o impacto da atenção básica

Autores

  • Tabatha Gonçalves Andrade Castelo Branco Gomes Escola Superior de Ciências da Saúde
  • Leonardo dos Santos Ferreira Escola Superior de Ciências da Saúde
  • Murilo Neves de Queiroz Escola Superior de Ciências da Saúde
  • Paulo Batista dos Reis Netto Escola Superior de Ciências da Saúde
  • Vinícius Neves Bezerra Escola Superior de Ciências da Saúde
  • Ana Maria Costa Escola Superior de Ciências da Saúde

DOI:

https://doi.org/10.51723/ccs.v27i04.18

Palavras-chave:

Taxa de mortalidade na infância;, Atenção básica;, PSF

Resumo

Objetivos: Analisar as tendências da mortalidade na infância no Brasil e regiões, no período de 2000 a 2011, e correlacionar as tendências de duas das mais prevalentes causas de óbito na infância, doença diarreica aguda e infecção respiratória aguda, com a cobertura da atenção básica
no Brasil e regiões.
Métodos: Trata-se de um estudo epidemiológico que visa estimar o efeito da atenção básica na taxa de mortalidade na infância. Foram coletados dados de cobertura populacional do Programa Saúde da Família, indicadores de saúde e informações demográficas, obtidos no DATASUS, base de dados disponibilizada pelo Ministério da Saúde, no período de 2000 a 2011.
Resultados: No Brasil, a Taxa de Mortalidade na Infância vem apresentando tendência constante de queda, com uma redução de 41,1% no período analisado enquanto a cobertura nacional da atenção básica no período de 2000 a 2011 teve aumento de 36%. A mortalidade na infância por doença diarreica aguda apresentou redução de 78,98%; enquanto que a mortalidade na infância por infecção respiratória aguda reduziu em 48,40%.
Discussão: A tendência nacional é de queda global da mortalidade na infância no período analisado. Em 2000, a classificação nacional da taxa de mortalidade na infância era média (30,1/1000 NV), enquanto em 2011, baixa (17,7/1000 NV). A cobertura populacional realizada pela atenção básica foi maior nas regiões com as maiores TMI (Norte e Nordeste) as quais demonstraram maiores decréscimos. Os dados apontam que a expansão do PSF, juntamente com outras melhorias em condições socioeconômicas, está associada a reduções na mortalidade na infância.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tabatha Gonçalves Andrade Castelo Branco Gomes, Escola Superior de Ciências da Saúde

Graduação em Medicina, Escola Superior de Ciências da Saúde, Brasília-DF

 

Gonçalves Andrade 

Leonardo dos Santos Ferreira, Escola Superior de Ciências da Saúde

Graduação em Medicina, Escola Superior de Ciências da Saúde, Brasília-DF

Murilo Neves de Queiroz, Escola Superior de Ciências da Saúde

Graduação em Medicina, Escola Superior de Ciências da Saúde, Brasília-DF.

Paulo Batista dos Reis Netto, Escola Superior de Ciências da Saúde

Graduação em Medicina, Escola Superior de Ciências da Saúde, Brasília-DF.

Vinícius Neves Bezerra, Escola Superior de Ciências da Saúde

Graduação em Medicina, Escola Superior de Ciências da Saúde, Brasília-DF

Ana Maria Costa, Escola Superior de Ciências da Saúde

Doutora, médica, professora orientadora da disciplina de Saúde Coletiva, Escola Superior de Ciências da Saúde, Brasília-DF

Downloads

Publicado

20.10.2017

Como Citar

1.
Gomes TGACB, Ferreira L dos S, Queiroz MN de, Reis Netto PB dos, Bezerra VN, Costa AM. Mortalidade na infância no Brasil e regiões no período de 2000 a 2011:: o impacto da atenção básica. Com. Ciências Saúde [Internet]. 20º de outubro de 2017 [citado 15º de abril de 2024];27(04):259-66. Disponível em: https://revistaccs.escs.edu.br/index.php/comunicacaoemcienciasdasaude/article/view/18

Edição

Seção

Saúde Coletiva

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)