Saúde Mental na Perinatalidade: perspectivas de usuárias e profissionais da Atenção Primária à Saúde

Autores

DOI:

https://doi.org/10.51723/ccs.v31i01.581

Palavras-chave:

Saúde mental, Cuidado pré-natal, Cuidado pós-natal, Atenção Primária à Saúde

Resumo

Objetivo: conhecer, a partir das percepções de profissionais de saúde, gestantes e puérperas, como a saúde mental é abordada na assistência pré e pós-natal de uma Unidade Básica de Saúde. Método: Pesquisa-Ação, utilizando-se entrevistas semiestruturadas e observação participante. Os dados foram interpretados a partir da Análise de Conteúdo. Resultados: emergiram três grandes eixos temáticos: percepção dos profissionais sobre atenção à saúde mental na perinatalidade; abordagem aos aspectos psicossociais; expectativas e desafios quanto a inovações na assistência. Conclusões: O maior investimento na educação permanente dos profissionais pode melhorar a atenção à saúde mental materna

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana de Andrade Passos, Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal - SES-DF

Mestre em Ciências da Saúde pela ESCS. Psicóloga da Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal - SES-DF

Alessandra da Rocha Arrais, Escola Superior de Ciências da Saúde

Doutora em Psicologia pela Universidade de Brasília. Psicóloga da SES-DF. Docente do Programa de Mestrado Profissional em Ciências da Saúde da ESCS/Fepecs

Vitor Hugo Nascimento Firmino, Escola Superior de Ciências da Saúde

Enfermeiro graduado pela Escola Superior de Ciências da Saúde - ESCS

Referências

Ministério da Saúde (BR). Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher: princípios e diretrizes. Brasília: Ministério da Saúde [Internet], 2004. [Citado em 12 de Agosto de 2020]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nac_atencao_mulher.pdf

Mamede FV, Prudêncio PS. Contribuições de programas e políticas públicas para a melhora da saúde materna. Rev. Gaúcha Enferm. [Internet]. 2015 [Citado em 12 de Agosto de 2020]; 36 (spe): 262-266. DOI: 14472015000500262&lng=en. https://doi.org/10.1590/1983-1447.2015.esp.56644.

Araújo IS, Aquino KS, Fagundes LKA, Santos VC. Postpartum Depression: Epidemiological Clinical Profile of Patients Attended In a Reference Public Maternity in Salvador-BA. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. [Internet]. Epub May 16, 2019. 41(3): 155-163. [Citado em 07 maio 2020]. DOI: https://doi.org/10.1055/s-0038-1676861.

Almeida NMC, Arrais AR. O pré-natal psicológico como programa de prevenção à depressão pós-parto. Psicologia: Ciência e Profissão, v.36, n.4, p.847-863, 2016. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-12902014000100020

Carvalho GM, Oliveira LR, Santos RV, Camiá GEK, Soares LH. Transtornos mentais em puérperas: análise da produção de conhecimento nos últimos anos. Brazilian Journal of Health Review, vol. 2, n 4, 2019. DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv2n4-117

Lucchese R, Simões ND, Monteiro LHB, Vera I, Fernandes IL, Castro PA et al. Fatores associados à probabilidade de transtorno mental comum em gestante: estudo transversal. Esc. Anna Nery [Internet]. Epub 01, junho, 2017; 21(3): e20160094. [Citado 29 de abril de 2020] DOI: https://doi.org/10.1590/2177-9465-ean-2016-0094.

Ministério da Saúde (BR). CAB nº 34: Saúde Mental. Brasília: Ministério da Saúde [Internet], 2013. Disponível em:

http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/caderno_34.pdf

World Health Organization (WHO). Promoting mental health: concepts, emerging evidence, practice. [Internet] Genebra: 2006, p. 10. [Citado em 12 de agosto de 2020]. Disponível em: https://www.who.int/mental_health/evidence/en/promoting_mhh.pdf

Maciel LP, Costa JCC, Campor GMB, Santos NM, Melo RA, Diniz LFB. Mental disorder in the puerperal period: risks and coping mechanisms for health promotion. Rev Fun Care Online. Jul/Set 2019; 11(4):1096-1102. [Citado em 07 maio 2020]. DOI: http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2019.v11i4.1096-1102

Alvares, LB.; Azevedo, GR.; Neto, LFS. Depressão puerperal: a relevância dada pela equipe multiprofissional de saúde e a percepção das usuárias. Rev. Fac. Ciênc. Méd., Sorocaba, v. 17, n. 4, p. 222-225, 2015. [Citado em 07 maio 2020]. Disponível em: <http://ken.pucsp.br/RFCMS/article/view/25339>.

Meira BM, Pereira PAS, Silveira MFA, Gualda DMR, Santos Júnior HPO. Desafios para profissionais da atenção primária no cuidado à mulher com depressão pós-parto. Texto Contexto Enfermagem, Florianópolis, v.24, n.3, p. 706-712, jul./set. 2015. [Citado em 07 maio 2020]. DOI: https://doi.org/10.1590/0104-0707201500049-14

Ministério da Saúde (BR). CAB nº 32: Atenção pré-natal de baixo risco. Brasília: Ministério da Saúde [Internet], 2012. [Citado em 07 maio 2020]. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/caderno_32.pdf

Thiollent, M. Metodologia da pesquisa-ação. 15ª ed. São Paulo: Cortez, 2008. p. 14.

Fontanella BJB, Ricas J, Turato ER. Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde. Caderno de Saúde Pública, 2008 [Citado em 04 de maio de 2020]; 24(1):17-27. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/csp/v24n1/02.pdf

Bardin, L. Análise de Conteúdo. 1ª ed. 3ª reimpressão. São Paulo: Edições 70, 2016.

Palmeira, ABP & Gewehr RB. O lugar da experiência do adoecimento no entendimento da doença: discurso médico e subjetividade. Ciência & Saúde Coletiva [online]. 2018, v. 23, n. 8 [Citado em 27 de abril de 2020], pp. 2469-2478. DOI:https://doi.org/10.1590/1413-81232018238.15842016>. ISSN 1678-4561.

Costa FLS, Camara J, Costa K, Serejo ES, Pedrosa A, Lima AA. Avaliação da assistência pré-natal na perspectiva da integralidade. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online [Internet]. 5 de abril, 2016; [Citado em 29 de abril de 2020]; 8(2): 4563-4586. Disponível em: http://seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/5034

Fogaça NR, Ferrari RAP, Gabani FL, Soares NTI, Tacla MTGM, Oliveira GS. Operacionalização de grupos de pré-natal: percepção dos profissionais do serviço da atenção primária à saúde. Revista Pesquisa Qualitativa, São Paulo, v.5, n.7, p.128-142, abr. 2017. [Citado em 29 de abril de 2020]. Disponível em: <https://editora.sepq.org.br/index.php/rpq/article/view/75>.

Gois APA, Silva LG, Assis CL. Ansiedade na gestação: um estudo com mulheres de uma unidade básica de saúde de Cacoal – RO, Brasil. Rev. Alternativas Cubanas em Psicologia, Vol. 7. Núm. 21. 2019. [Citado em 29 de abril de 2020]. Disponível em: <https://www.acupsi.org/articulo/277/ansiedade-na-gestao-um-estudo-com-mulheres-de-uma-unidade-bsica-de-sade-de-cacoal-ro-brasil.html >.

Boarolli M, Pacheco T, Ceretta LB, Birollo IVB, Amboni G, Gomes KM. Avaliação de estresse, depressão e ansiedade em um grupo de gestantes cadastradas na estratégia saúde da família do bairro São Sebastião, Criciúma. Revista do programa de residência multiprofissional em atenção básica/saúde da família [Internet]. 2016 [Citado em 29 de abril de 2020]; 3(1):1-6. Disponível em: http://periodicos.unesc.net/prmultiprofissional/article/view/3028/2792

Downloads

Publicado

12.09.2020 — Atualizado em 26.10.2020

Versões

Como Citar

1.
Passos J de A, Arrais A da R, Firmino VHN. Saúde Mental na Perinatalidade: perspectivas de usuárias e profissionais da Atenção Primária à Saúde. Com. Ciências Saúde [Internet]. 26º de outubro de 2020 [citado 15º de abril de 2024];31(01):161-78. Disponível em: https://revistaccs.escs.edu.br/index.php/comunicacaoemcienciasdasaude/article/view/581

Edição

Seção

Mestrados profissionais em saúde

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)