Avaliação normativa da centralização das análises laboratoriais em uma unidade de saúde brasileira

Autores

  • Rafaela Melo Silva Monteiro Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal - SESDF
  • Juliana Martins Barbosa da Silva Costa Universidade Federal de Pernambuco - UFPE

DOI:

https://doi.org/10.51723/ccs.v34i04.1389

Palavras-chave:

Serviços de Laboratório Clínico, Serviços Laboratoriais de Saúde Pública, Avaliação em Saúde

Resumo

Objetivo: realizar uma avaliação normativa do grau de implantação da centralização das análises laboratoriais, segundo a qualidade de acessibilidade, adequação e qualidade técnico-científica de um laboratório de análises clínicas brasileiro. Método: a avaliação englobou apreciação da estrutura, do processo e dos resultados, a partir de questionários com respostas fechadas direcionados aos profissionais identificados como público-alvo. Resultados: foi obtido um grau de implantação para a intervenção de 65%, classificado como razoável. O grau de implantação dos componentes foi: 84% para Coleta de Amostras (satisfatório); 60% para Transporte de Amostras (razoável); 58% para Processamento de Exames Laboratoriais (razoável). Conclusão: Para se avançar na intervenção, é preciso implantar o Sistema da Qualidade na Coleta de Amostras, capacitar os profissionais da coleta, validar o Transporte de Amostras, disponibilizar os Controles de Qualidade Interno e Externo, promover melhorias no sistema informatizado, além de fornecer estrutura física adequada para o Laboratório e Postos de Coleta.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafaela Melo Silva Monteiro, Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal - SESDF

Mestre em Saúde Pública e Especialista em Hematologia e Hemoterapia. Biomédica, Secretaria de Saúde do Distrito Federal Brasília, DF, Brasil

Juliana Martins Barbosa da Silva Costa, Universidade Federal de Pernambuco - UFPE

Doutora em Saúde Pública. Docente do curso de medicina do Centro Acadêmico do Agreste,

Universidade Federal de Pernambuco, Caruaru, PE, Brasil

Referências

Vidigal PG et al. Challenges of the Unified Health System: present status of public laboratory services in 31 cities of Minas Gerais, Brazil. J Bras Patol Med Lab, v. 50, n. 2, p. 115-123, abr. 2014. https://doi.org/10.5935/1676-2444.20140004

Simons CC, Capraro GA. Centralization versus Decentralization of Clinical Microbiology Laboratory Services: One More Choice To Make During a Global Pandemic. Clinical Microbiology Newsletter, v. 42, n. 23, p. 187–191, dez. 2020. https://doi.org/10.1016/j.clinmicnews.2020.11.001

Parker MT. Effects of centralization on laboratory services. Journal of Clinical Pathology, v. 24, n. 8, p. 769–769, 1 nov. 1971. doi: 10.1136/jcp.24.8.769-b

Fagg KL et al. Laboratory restructuring in metropolitan Edmonton: a model for laboratory reorganization in Canada. Clinica Chimica Acta, v. 290, n. 1, p. 73–91, dez. 1999. doi: 10.1016/s0009-8981(99)00178-3.

Young DS. Laboratory Automation: Smart Strategies and Practical Applications. Clinical Chemistry, v. 46, n. 5, p. 740–745, 1 maio 2000. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/10794771/

Brasil. Manual de apoio aos gestores do SUS: organização da rede de laboratórios clínicos. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Departamento de Descentralização da Gestão da Assistência. Brasília, DF: Editora MS, 2002. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/apoio_sus.pdf

Mendes EV. As Redes de Atenção à Saúde: Revisão Bibliográfica, Fundamentos, Conceito e Elementos Constitutivos. In: MENDES, E. V. (Ed.). . As Redes de Atenção à Saúde. 2. ed. Brasília, DF: Organização Pan-Americana de Saúde, 2011. p. 61–208. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/redes_de_atencao_saude.pdf

Distrito Federal. Decreto nº 39.546, de 19 de dezembro de 2018. Aprova o Regimento Interno da Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal. Diário Oficial do Distrito Federal. 2018.

CATES/SAIS/SES. Circular 7609762 SEI-GDF no 2/2018 - SES/SAIS/CATES, 30 abr. 2018.

Brito CBM de et al. Plano Distrital de Saúde 2016-2019, mar. 2016.

DIRASE/SRSSO/SES. Despacho 8092793 SEI-GDF SES/SRSSO/DIRASE, 15 maio 2018.

Monteiro RMS, Caixeta RC, Soares AC. MSQ GQ - Manual do Sistema da Qualidade, 24 set. 2018.

GEDIAG/DUAEC/SAIS/SES. Análise de dados estatísticos e produtividade das unidades laboratoriais. Brasília, DF: SES-DF, nov. 2019.

Brasil. Resolução de Diretoria Colegiada-RDC no 302, de 13 de outubro de 2005. Dispõe sobre o Regulamento Técnico para funcionamento de Laboratórios Clínicos. Diário Oficial da União. 2005, p. 17.

Contandriopoulos AP et al. A Avaliação na Área da Saúde: Conceitos e Métodos. In: Avaliação em saúde: dos modelos conceituais à prática na análise da implantação de programas. 20. ed. [s.l.] Editora FIOCRUZ, 1997. p. 29–48.

Rossi PH, Lipsey MW, Freeman HE. Evaluation: a systematic approach. 7th ed ed. Thousand Oaks, CA: Sage, 2004.

Vuori H. A Qualidade da Saúde. Seminário de avaliação dos serviços de saúde - Aspectos metodológicos, OPAS, Escola Nacional de Saúde Pública, nov. 1988.

Boeras DI, Nkengasong JN, Peeling RW. Implementation science: the laboratory as a command centre. Current Opinion in HIV and AIDS, v. 12, n. 2, p. 171–174, mar. 2017. doi: 10.1097/COH.0000000000000349

Seaberg RS, Stallone RO, Statland BE. The Role of Total Laboratory Automation in a Consolidated Laboratory Network. Clinical Chemistry, v. 46, n. 5, p. 751–756, 1 maio 2000. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/10794773/

Publicado

22.05.2024

Como Citar

1.
Melo Silva Monteiro R, Martins Barbosa da Silva Costa J. Avaliação normativa da centralização das análises laboratoriais em uma unidade de saúde brasileira. Com. Ciências Saúde [Internet]. 22º de maio de 2024 [citado 24º de junho de 2024];34(04). Disponível em: https://revistaccs.escs.edu.br/index.php/comunicacaoemcienciasdasaude/article/view/1389

Edição

Seção

Seção temática - Mestrado Profissional em Avaliação em Saúde