Associação de Cutibacterium acnes na patogênese da hipomelanose macular progressiva

Uma revisão integrativa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.51723/ccs.v33i01.983

Palavras-chave:

Cutibacterium acnes, hipopigmentação, Etiologia

Resumo

Introdução: a Hipomelanose Macular Progressiva é uma dermatose caracterizada pelo surgimento de lesões hipocrômicas assintomáticas, contudo, prejudicam as relações sociais e autoestima dos acometidos. Sua etiologia é desconhecida e sugere-se a participação da bactéria Cutibacterium acnes na sua fisiopatogenia. Objetivo: investigar a relação entre a fisiopatogenia da Hipomelanose Macular Progressiva e a Cutibacterium acnes. Método: revisão integrativa sem recorte temporal. Resultados: foram incluídos 19 estudos, que indicam que esta doença é comum e mundialmente encontrada, acometendo principalmente mulheres jovens. Existem dificuldades em seu diagnóstico, necessitando da utilização de ferramentas adicionais, como a lâmpada de Wood. Foram encontradas evidências relevantes de C. acnes do filogrupo III no desenvolvimento da Hipomelanose Macular Progressiva. O uso de antimicrobianos tem sido eficaz, porém apresentando recidivas. Conclusão: ressalta-se a necessidade de mais estudos, especialmente ensaios clínicos controlados, para melhor elucidar a etiologia bacteriana bem como melhorar o diagnóstico e o tratamento da Hipomelanose Macular Progressiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Larissa Fernandes Nogueira Ganças, Universidade Federal Rural do Semi-Árido

Acadêmica do Curso de Medicina - Universidade Federal Rural do Semi-Árido, Mossoró, Rio Grande do Norte, Brasil

Teresinha Silva de Brito, Universidade Federal Rural do Semi-Árido

2Docente do Departamento de Ciências da Saúde da Universidade Federal Rural do Semi-Árido, Mossoró, Rio Grande do Norte, Brasil

Caio Augusto Martins Aires, Universidade Federal Rural do Semi-Árido

Docente do Departamento de Ciências da Saúde da Universidade Federal Rural do Semi-Árido, Mossoró, Rio Grande do Norte, Brasil

Referências

Guillet G, Helenon R, Gauthier Y, Surleve-Bazeille JE, Plantin P, Sassolas B. Progressive macular hypomelanosis of the trunk: primary acquired hypopigmentation. J Cutan Pathol. 1988 [acesso em 10/02/19]; 15:286-9. Disponível em: <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/3209765/>.

Relyveld GN, Menke HE, Westerhof W. Progressive macular hypomelanosis: an overview. Am J Clin Dermatol. 2007 [acesso em 15/01/21]; 8(1):13–9. Disponível em: <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/17298102/>.

Duarte I, Nina BID, Gordiano MC, Buense R, Lazzarini R. Hipomelanose macular progressiva: estudo epidemiológico e resposta terapêutica à fototerapia. An Bras Dermatol. outubro de 2010 [acesso em 12/02/19]; 85:621–4. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0365-05962010000500004&lng=en&nrm=iso>.

Taborda ML, Weber MB, Teixeira KAM, Lisboa AP, Welter E de Q. Avaliação da qualidade de vida e do sofrimento psíquico de pacientes com diferentes dermatoses em um centro de referência em dermatologia no sul do país. An Bras Dermatol. fevereiro de 2010 [acesso em 13/02/20]; 85:52–6. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0365-05962010000100007&lng=en&nrm=iso>.

Cavalcanti SM de M, França ER de, Magalhães M, Lins AK, Brandão LC, Magalhães V. A quantitative analysis of Propionibacterium acnes in lesional and non-lesional skin of patients with progressive macular hypomelanosis by real-time polymerase chain reaction. Braz J Microbiol. junho de 2011 [acesso em 15/02/20]; 42:423–9. Disponível em: <https://www.scielo.br/j/bjm/a/hrNqt33rwDX6nNxkMHBdLMb/?lang=en>.

Corvec S, Dagnelie M-A, Khammari A, Dréno B. Taxonomy and phylogeny of Cutibacterium (formerly Propionibacterium) acnes in inflammatory skin diseases. Ann Dermatol Vénéréologie. 1o de janeiro de 2019 [acesso em 22/01/20]; 146(1):26–30. Disponível em: <https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0151963818312687?via%3Dihub>.

Platsidaki E, Dessinioti C. Recent advances in understanding Propionibacterium acnes (Cutibacterium acnes) in acne. F1000Research. 19 de dezembro de 2018 [acesso em 20/01/20]; 7:1953. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/329796875_Recent_advances_in_understanding_P>.

Lee YB, Byun EJ, Kim HS. Potential Role of the Microbiome in Acne: A Comprehensive Review. J Clin Med. julho de 2019 [acesso em 22/01/20]; 8(7):987. Disponível em: <http://www.mdpi.com/2077-0383/8/7/987>.

Mendes KDS, Silveira RC de CP, Galvão CM. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto contexto - enferm. dezembro de 2008 [acesso em 08/01/20]; 17:758–64. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-07072008000400018&lng=en&nrm=iso>.

Ayres EL, Magrin PF, Bentivoglio F, Costa A. Hipomelanose macular progressiva: estudo epidemiológico com 103 casos da Região Sudeste do Brasil. Surg cosmet dermatol (Impr). 2015 [acesso em 02/03/20]; 56–60. Disponível em: <http://www.surgicalcosmetic.org.br/detalhe-artigo/375/Hipomelanose->.

Westerhof W, Relyveld GN, Kingswijk MM, de Man P, Menke HE. Propionibacterium acnes and the pathogenesis of progressive macular hypomelanosis. Arch Dermatol. fevereiro de 2004 [acesso em 17/02/19]; 140(2):210–4. Disponível em <https://jamanetwork.com/journals/jamadermatology/fullarticle/480243>.

Relyveld GN, Kingswijk MM, Reitsma JB, Menke HE, Bos JD, Westerhof W. Benzoyl peroxide/clindamycin/UVA is more effective than fluticasone/UVA in progressive macular hypomelanosis: a randomized study. J Am Acad Dermatol. novembro de 2006 [acesso em 04/02/20]; 55(5):836–43. Disponível em: <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/17052490/>.

Relyveld GN, Dingemans KP, Menke HE, Bos JD, Westerhof W. Ultrastructural findings in progressive macular hypomelanosis indicate decreased melanin production. Journal of the European Academy of Dermatology and Venereology. 2008 [acesso em 04/03/20]; 22(5):568–74. Disponível em: <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/18266692/>.

Almeida ART de, Bedani TP, Debs EAF, Ferreira JAD. Estudo piloto para avaliar a eficácia da minociclina no tratamento da hipomelanose macular progressiva (HMp). Surg cosmet dermatol (Impr). 2009 [acesso em 22/01/20]; 25–8. Disponível em: <https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/biblio-884542>.

Rodríguez-Lojo R, Verea MM, Velasco D, Barja JM. Hipomelanosis macular progresiva y confluente. Actas Dermo-Sifiliográficas. 1o de abril de 2010 [acesso em 04/06/20]; 101(3):268–9. Disponível em: <https://www.actasdermo.org/es-hipomelanosis-macular-progresiva-confluente-articulo-S0001731010000827>.

Cavalcanti SMM, de França ER, Lins AK, Magalhães M, de Alencar ERB, Magalhães V. Investigation of Propionibacterium acnes in progressive macular hypomelanosis using real-time PCR and culture. International journal of dermatology. 2011 [acesso em 14/02/20]; 50(11):1347–52. Disponível em: <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/22004486/>.

Wu X-G, Xu A-E, Luo X-Y, Song X-Z. A case of progressive macular hypomelanosis successfully treated with benzoyl peroxide plus narrow-band UVB. J Dermatolog Treat. novembro de 2010 [acesso em 17/03/20); 21(6):367–8. Disponível em: <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/20524876/>.

Echeverría B, Botella-Estrada R, Escutia B, Guillén C. Progressive Macular Hypomelanosis Successfully Treated with Topical Clindamycin and Benzoyl Peroxide. Actas Dermosifiliogr. 1o de agosto de 2010 [acesso em 02/02/20]; 101(6):565–7. Disponível em: <https://www.actasdermo.org/en-estadisticas-S1578219010708507>.

Mauleón C, Valdivielso M, Chavarría E, Cueva P de la, Silvente C, Balbín E, et al. Hipomelanosis macular progresiva. Acta pediatr esp. 2010 [acesso em 14/01/20]; 34–5. Disponível em: <https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/ibc-85911>.

Kwah Y-C, Chong W-S, Thiam-Seng Theng C, Goh B-K. Treatment of progressive macular hypomelanosis with narrow-band ultraviolet B phototherapy. Photodermatol Photoimmunol Photomed. junho de 2010 [acesso em 22/02/20]; 26(3):153–5. Disponível em: <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/20584255/>.

Almeida ART de, Nei DSY, Almeida JG de. Estudo duplo-cego randomizado e comparativo entre minociclina e placebo no tratamento da hipomelanose macular progressiva. Surg cosmet dermatol (Impr). 2011 [acesso em 02/02/20]; 219–25. Disponível em: <http://www.surgicalcosmetic.org.br/detalhe-artigo/149/Estudo-duplo-cego-randomizado-e-comparativo-entre-minociclina-e-placebo-no-tratamento-da-hipomelanose-macular-progressiva>.

Relyveld GN, Westerhof W, Woudenberg J, Kingswijk M, Langenberg M, Vandenbroucke-Grauls CM, et al. Progressive macular hypomelanosis is associated with a putative Propionibacterium species. J Invest Dermatol. abril de 2010 [acesso em 12/04/20]; 130(4):1182–4. Disponível em: <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/20043017/>.

Barnard E, Liu J, Yankova E, Cavalcanti SM, Magalhães M, Li H, et al. Strains of the Propionibacterium acnes type III lineage are associated with the skin condition progressive macular hypomelanosis. Sci Rep. 24 de agosto de 2016 [acesso em 02/02/20]; 6(1):31968. Disponível em: <https://www.nature.com/articles/srep31968>.

Petersen RLW, Scholz CFP, Jensen A, Brüggemann H, Lomholt HB. Propionibacterium Acnes Phylogenetic Type III is Associated with Progressive Macular Hypomelanosis. Eur J Microbiol Immunol (Bp). março de 2017 [acesso em 12/02/20]; 7(1):37–45. Disponível em: <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/28386469/>.

Petersen R, Lomholt HB, Scholz CFP, Brüggemann H. Draft Genome Sequences of Two Propionibacterium acnes Strains Isolated from Progressive Macular Hypomelanosis Lesions of Human Skin. Genome Announc. 5 de novembro de 2015 [acesso em 08/03/20]; 3(6). Disponível em: <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/26543110/>.

Cavalcanti SM de M, Querino MCD, Magalhães V, França ER de, Magalhães M, Alencar E. Uso da limeciclina associada com o peróxido de benzoíla no tratamento da hipomelanose macular progressiva: um estudo prospectivo. An Bras Dermatol. agosto de 2011 [acesso em 14/02/20]; 86:813–4. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0365->.

Blom van Staden A, De Canha M, Nqephe M, Rademan S, Kumar V, Lall N. Potential medicinal plants for progressive macular hypomelanosis. South African Journal of Botany. 1o de julho de 2017 [acesso em 12/03/20]; 111:346–57. Disponível em: <https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0254629916339370>.

Soares CB, Hoga LAK, Peduzzi M, Sangaleti C, Yonekura T, Silva DRAD. Integrative Review: Concepts and Methods Used In Nursing. Rev esc enferm USP. abril de 2014 [acesso em 02/02/20]; /48:335–45. Disponível em: <https://www.scielo.br/j/reeusp/a/3ZZqKB9pVhmMtCnsvVW5Zhc/?lang=en>.

Zlowodzki M, Jonsson A, Bhandari M. Common pitfalls in the conduct of clinical research. Med Princ Pract. 2006 [acesso em 06/04/21]; 15(1):1–8. Disponível em: <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/16340221/>.

Oliveira MAP, Velarde GC, Sá RAM de. Entendendo a pesquisa clínica V: relatos e séries de casos. Femina. 2015;235–8 [acesso em 12/05/20]. Disponível em: <https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/lil-771219?lang=fr>.

Azulay RD, Azulay DR, Abulafia LA. Dermatologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2017.

Saleem MD, Oussedik E, Picardo M, Schoch JJ. Acquired disorders with hypopigmentation: A clinical approach to diagnosis and treatment. J Am Acad Dermatol. maio de 2019 [acesso em 02/02/21]; 80(5):1233-1250.e10. Disponível em: <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/30236514/>.

Gomes, TM. Dermatologia na Atenção Primária: desafios para a abordagem das lesões de pele na ESF no Rio de Janeiro. Tese (Mestrado em Saúde da Família) – Universidade Estácio de Sá, 2012.

McDowell A, McLaughlin J, Layton AM. Is Cutibacterium (previously Propionibacterium) acnes a potential pathogenic factor in the aetiology of the skin disease progressive macular hypomelanosis? J Eur Acad Dermatol Venereol. Fevereiro 2021 [acesso em 10/02/22]; 35(2):338-344. Disponível em: <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32603510/>.

Botton A, Cúnico SD, Strey MN. Diferenças de gênero no acesso aos serviços de saúde: problematizações necessárias. Mudanças. 2017 [acesso em 28/01/21]; 67–72. Disponível em: <https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/biblio-869142>.

Barros AB de, Sarruf FD, Fileto MB, Velasco MVR. Acne vulgar: aspectos gerais e atualizações no protocolo de tratamento. 1. 19 de outubro de 2020 [acesso em 02/02/21]; 3:1–13. Disponível em: <https://bwsjournal.emnuvens.com.br/bwsj/article/view/125>.

Rang HP, Dale MM, Ritter JM, Flower RJ, Henderson G. Farmacologia. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.

Santos JB, Almeida OLS, Silva LM da, Barreto ERM. Eficácia da combinação tópica de peróxido de benzoíla 5% e clindamicina 1% para o tratamento da hipomelanose macular progressiva: um estudo randomizado, duplo-cego, placebo-controlado. An Bras Dermatol. fevereiro de 2011 [acesso em 12/03/21]; 86:50–4. Disponível em: <https://www.scielo.br/j/abd/a/mXyd3rRVdtRfKGsj8GdWK4p/?lang=pt>.

Downloads

Publicado

11.03.2022

Como Citar

1.
Ganças LFN, Brito TS de, Aires CAM. Associação de Cutibacterium acnes na patogênese da hipomelanose macular progressiva : Uma revisão integrativa. Com. Ciências Saúde [Internet]. 11º de março de 2022 [citado 28º de fevereiro de 2024];33(01). Disponível em: https://revistaccs.escs.edu.br/index.php/comunicacaoemcienciasdasaude/article/view/983

Edição

Seção

Clínica Assistencial