Qualidade de vida de pais de crianças com transtorno do espectro do autismo

Autores

  • Cimara Laine Dias Faculdades Unidas do Norte de Minas - FUNORTE
  • Exillany Mota Costa Faculdades Unidas do Norte de Minas - FUNORTE
  • Mirna Rossi Barbosa-Medeiros Faculdades Unidas do Norte de Minas - FUNORTE

DOI:

https://doi.org/10.51723/ccs.v32i02.666

Palavras-chave:

Transtorno Autístico, Qualidade de vida, Família, Barreiras de Comunicação

Resumo

Objetivo: Avaliar a qualidade de vida dos pais de crianças com Transtorno do Espectro do Autismo e comparar a renda ao perfil comunicativo das crianças. Métodos: Participaram 55 pais que responderam ao questionário de avaliação da qualidade de vida, de questões sociodemográficas e do perfil comunicativo da criança. Foram feitos cálculos de frequência e teste não-paramétrico de Mann-Whitney. Resultados: Escores no domínio ambiental diferiram conforme o uso da comunicação, capacidade de compreender o filho, frequência de passeios com a criança e renda. O domínio psicológico foi influenciado pela capacidade de compreensão dos pais e pela frequência dos passeios. Escores do domínio social diferiram conforme a renda. Conclusão: A qualidade de vida foi considerada boa ou ótima para a maioria e um número expressivo de pais apresentou qualidade de vida regular no que tange os domínios meio ambiente e social. Os escores de qualidade de vida diferiram conforme a renda e o perfil comunicativo da criança.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cimara Laine Dias, Faculdades Unidas do Norte de Minas - FUNORTE

Fonoaudióloga. Graduação pelas Faculdades Unidas do Norte de Minas (FUNORTE). Pós-graduada em Disfagia.

Exillany Mota Costa, Faculdades Unidas do Norte de Minas - FUNORTE

Fonoaudióloga. Graduação pelas Faculdades Unidas do Norte de Minas (FUNORTE). Pós-graduada em Disfagia.

Mirna Rossi Barbosa-Medeiros, Faculdades Unidas do Norte de Minas - FUNORTE

Fonoaudióloga. Doutora em Ciências da Saúde. Professora das Faculdades Unidas do Norte de Minas (FUNORTE).

Referências

American Psichiatric Association. Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais - DSM-V. 5 ed. Porto Alegre: Artmed; 2014.

Christensen DL, Baio J, Braun KVN, Bilder D, Charles J, Constantino JN et al. Prevalence and Characteristics of Autism Spectrum Disorder Among Children Aged 8 Years-Autism and Developmental Disabilities Monitoring Network. MMW Surveill Summ. 2016 Apr 1; 65(3):1-23. doi: 10.15585/mmwr.ss6503a1.

Portolese J, Bordini D, Lowenthal R, Zachi EC, de Paula CS. Mapeamento dos serviços que prestam atendimento a pessoas com transtorno do espectro autista no Brasil. Cad. Pós-Grad. Distúrb. Desenvolv. 2017; 17(2): 79-91. http://dx.doi.org/10.5935/cadernosdisturbios.v17n2p79-91

Fávero MABN, Santos MA. Autismo infantil e estresse familiar: uma revisão sistemática da literatura. Psicol Reflex Crit. 2005; 18(3): 358-69. https://doi.org/10.1590/S0102-79722005000300010.

Segeren L, Fernandes FDM. Correlação entre a oralidade de crianças com distúrbios do espectro do autismo e o nível de estresse de seus pais. Audiol Commun Res. 2016; 21: e1611. http://dx.doi.org/10.1590/2317-6431-2015-1611

Marques MH, Dixe MAR. Crianças e jovens autistas: impacto na dinâmica familiar e pessoal de seus pais. Rev Psiquiatr Clín. 2011; 38(2): 66-70. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-60832011000200005

Segeren L, Françozo MFC. As vivências de mães de jovens autistas. Psicol Estud. 2014; 19(1): 39-46. http://dx.doi.org/10.1590/1413-7372189590004

Schieve LA, Blumberg SJ, Rice C, Visser SN, Boyle C. The relationship between Autism and Parenting Stress. Pediatrics. 2007; 119(Suppl 1): 114-21. doi: 10.1542/peds.2006-2089Q.

Misquiatti ARN, Brito MC, Ferreira FTS, Assumpção-Junior FB. Sobrecarga familiar e crianças com Transtornos do Espectro do Autismo: perspectiva dos cuidadores. Rev CEFAC. 2015; 17(1): 192-200. https://doi.org/10.1590/1982-0216201520413.

Fleck MPA, Louzada SL, Xavier M, Chachamovich E, Vieira G, Santos L et al. Aplicação da versão em português do instrumento abreviado de avaliação da qualidade de vida “WHOQOL-bref”. Rev Saude Publica. 2000; 34(2): 178-83. https://doi.org/10.1590/S0034-89102000000200012

Seidl EMF, Zannon CMLC. Qualidade de vida e saúde: aspectos conceituais e metodológicos. Cad Saúde Pública. 2004; 20(2): 580-8. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2004000200027.

Cuvero MM. Qualidade de vida em cuidadores de crianças e adolescentes com autismo [dissertação]. Uberlândia: Universidade Federal de Uberlândia; 2008. 72 p.

Miele FG, Amato CAH. Transtorno do Espectro Autista: qualidade de vida e estresse em cuidadores e/ou familiares – revisão de literatura. Cad Pós-grad Distúrb Desenvolv. 2016; 16(2): 89-102. http://dx.doi.org/10.5935/1809-4139.20160010

Walter CCF. Avaliação de um programa de comunicação alternativa e ampliada para mães de adolescentes com autismo [tese]. São Carlos, SP: Centro de Educação e Ciências Humanas da Universidade Federal de São Carlos; 2006. 110 p.

Moretto G, Ishihara M, Ribeiro M, Caetano SC, Perissinoto J Tamanaha AC. Interferência do meio comunicativo da criança com transtorno do espectro do autismo na qualidade de vida de suas mães. CoDAS. 2020; 32(6): e20190170. https://doi.org/10.1590/2317-1782/20202019170.

Estanieski II, Guarany NR. Qualidade de vida, estresse e desempenho ocupacional de mães cuidadoras de crianças e adolescentes autistas. Rev Ter Ocup Univ São Paulo. 2015; 26(2): 194-200. http://dx.doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v26i2p194-200

Barbosa MRP, Fernandes FDM. Qualidade de vida dos cuidadores de crianças com transtorno do espectro autístico. Rev Soc Bras Fonoaudiol. 2009; 14(3): 482-6. https://doi.org/10.1590/S1516-80342009000400009.

Vieira CBM, Fernandes FDM. Qualidade de vida em irmãos de crianças incluídas no espectro do autismo. CoDAS. 2013; 25(2): 120-7. https://doi.org/10.1590/S2317-17822013000200006.

Kousha M, Attar HA, Shoar Z. Anxiety, depression, and quality of life in Iranian mothers of children with autism spectrum disorder. J Child Health Care. 2016; 20(3): 405-14. https://doi.org/10.1177%2F1367493515598644

Dardas LA, Ahmad MM. Quality of life among parents of children with autistic disorder: a sample from the Arab world. Res Dev Disabil. 2014; 35(2): 278-87. DOI: 10.1016/j.ridd.2013.10.029

Øien R, Eisemann MR. Brief report: parent-reported problems related to communication, behavior and interests in children with autistic disorder and their impact on quality of life. J Autism Dev Disord. 2016; 46(1): 328-31. DOI: 10.1007/s10803-015-2577-4

Fernandes FDM, Amato CAH, Balestro JI, Molini-Avejonas DR. Orientação a mães de crianças do espectro autístico a respeito da comunicação e linguagem. J Soc Bras Fonoaudiol. 2011; 23(1): 1-7. https://doi.org/10.1590/S2179-64912011000100004

Fonseca LKR, Marques ICL, Mattos MP, Gomes DR. Influências do Transtorno do espectro autista nas relações familiares: revisão sistemática. Rev Baiana Saúde Pública. 2019; 43(2): 444-465. DOI: 10.22278/2318-2660.2019.v43.n2.a2983

Smeha LN, Cezar PK. A vivência da maternidade de mães de crianças com autismo. Psicol. Estud. 2011; 16(1): 43-50. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-73722011000100006

Gomes PTM, Lima LHL, Bueno MKG, Araújo LA, Souza NM. Autism in Brazil: a systematic review of Family challenges and coping strategies. J Pediatr 2015; 91(2): 111-121. DOI : http://dx.doi.org/10.1016/j.jped.2014.08.009

Fewster DL, Govender P, Uys CJE. Quality of life interventions for primary caregivers of children with autism spectrum disorder: a scoping review. J Child Adolesc Ment Health. 2019; 31(2): 139-159. https://doi.org/10.2989/17280583.2019.1659146

Fong VC, Gardiner E, Iarocci G. Can a combination of mental health services and ADL therapies improve quality of life in families of children with autismo spectrum disorder? Qual Life Res. 2020; 29: 2161-2170. https://doi.org/10.1007/s11136-020-02440-6.

Downloads

Publicado

11.06.2021

Como Citar

1.
Dias CL, Costa EM, Barbosa-Medeiros MR. Qualidade de vida de pais de crianças com transtorno do espectro do autismo. Com. Ciências Saúde [Internet]. 11º de junho de 2021 [citado 24º de junho de 2024];32(02). Disponível em: https://revistaccs.escs.edu.br/index.php/comunicacaoemcienciasdasaude/article/view/666

Edição

Seção

Saúde Coletiva