Esta é uma versão desatualizada publicada em 19.04.2021. Leia a versão mais recente.

Associação entre hipertensão arterial materna e peso inferior a 3.000g em nascimentos a termo

Autores

  • Amanda Oliveira Lyrio Universidade de Brasília - UnB
  • Saulo Wesley Silva Lessa Vilasboas Universidade Federal do Recôncavo da Bahia - UFRB
  • Isaac Suzart Gomes Filho Universidade Estadual de Feira de Santana - UEFS
  • Jamile Ribeiro Carvalho Universidade Federal do Recôncavo da Bahia - UFRB
  • Elivan Silva Souza Universidade de Brasília - UnB
  • Josicélia Estrela Tuy Batista Universidade Estadual de Feira de Santana - UEFS
  • Géssica Santana Orrico Universidade Estadual de Feira de Santana - UEFS
  • Sheila Monteiro Brito Universidade Federal do Recôncavo da Bahia - UFRB
  • Luise Maria Souza Universidade Estadual de Feira de Santana - UEFS
  • Ana Cláudia Morais Godoy Figueiredo Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal - SES-DF
  • Simone Seixas da Cruz Universidade Federal do Recôncavo da Bahia - UFRB

DOI:

https://doi.org/10.51723/ccs.v32i01.583

Palavras-chave:

Hipertensão Induzida pela Gravidez, Recém-Nascido de Baixo Peso, Gravidez de Alto Risco

Resumo

Introdução: A hipertensão arterial na gestação preditor de baixo peso ao nascer. Objetivo: Investigar a associação entre hipertensão arterial materna e o peso ao nascer inferior a 3.000g, entre indivíduos a termo. Método: Estudo tipo caso-controle, realizado em Juazeiro - Bahia e Petrolina – Pernambuco, entre 2009 e 2011. Calculou-se Odds Ratio e intervalos de confiança de 95% na análise de dados. Resultados: Gestantes com hipertensão tiveram 49% de chance a mais de ter filhos com peso inferior a 3.000g, quando comparadas às sem hipertensão arterial. Conclusão: A identificação precoce da hipertensão arterial na gestação evita danos desse agravo, especialmente baixo peso ao nascer.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amanda Oliveira Lyrio, Universidade de Brasília - UnB

Faculdade de Ciências da Saúde. Universidade de Brasília. Brasília, Distrito Federal.

Saulo Wesley Silva Lessa Vilasboas, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia - UFRB

Centro de Ciências da Saúde. Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Santo Antônio de Jesus, Bahia.

Isaac Suzart Gomes Filho, Universidade Estadual de Feira de Santana - UEFS

Departamento de Saúde. Universidade Estadual de Feira de Santana. Feira de Santana, Bahia.

Jamile Ribeiro Carvalho, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia - UFRB

Centro de Ciências da Saúde. Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Santo Antônio de Jesus, Bahia.

Elivan Silva Souza, Universidade de Brasília - UnB

Faculdade de Ciências da Saúde. Universidade de Brasília. Brasília, Distrito Federal.

Josicélia Estrela Tuy Batista, Universidade Estadual de Feira de Santana - UEFS

Departamento de Saúde. Universidade Estadual de Feira de Santana. Feira de Santana, Bahia.

Géssica Santana Orrico, Universidade Estadual de Feira de Santana - UEFS

Departamento de Saúde. Universidade Estadual de Feira de Santana. Feira de Santana, Bahia.

Sheila Monteiro Brito, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia - UFRB

Centro de Ciências da Saúde. Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Santo Antônio de Jesus, Bahia.

Luise Maria Souza, Universidade Estadual de Feira de Santana - UEFS

Prefeitura Municipal de Juazeiro da Bahia. Juazeiro, Bahia

Ana Cláudia Morais Godoy Figueiredo, Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal - SES-DF

Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal. Brasília, Distrito Federal.

Simone Seixas da Cruz, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia - UFRB

Centro de Ciências da Saúde. Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Santo Antônio de Jesus, Bahia.

Referências

Sociedade Brasileira de Cardiologia. 7a Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial. Revista da Sociedade Brasileira de Cardiologia 2016; 107: 103, http://publicacoes.cardiol.br/2014/diretrizes/2016/05_HIPERTENSAO_ARTERIAL.pdf (2016, accessed 14 march 2021).

Brown CC, Adams CE, George KE, et al. Associations Between Comorbidities and Severe Maternal Morbidity. Obstet Gynecol 2020; 136: 892–901. DOI: 10.1097/AOG.0000000000004057

Parikh NI, Laria B, Nah G, et al. Cardiovascular Disease-Related Pregnancy Complications Are Associated with Increased Maternal Levels and Trajectories of Cardiovascular Disease Biomarkers During and After Pregnancy. J Womens Health (Larchmt) 2020; 29: 1283–1291. DOI: 10.1089/jwh.2018.7560

Charpak N, Ruiz-Pelaez J. Improving survival of infants with low birthweight cared for outside hospitals. Lancet 2019; 394: 1688–1690. DOI: 10.1016/S0140-6736(19)32257-3

Lee HC, Liu J, Profit J, et al. Survival Without Major Morbidity Among Very Low Birth Weight Infants in California. Pediatrics; 146. Epub ahead of print 2020. DOI: 10.1542/peds.2019-3865. DOI: https://doi.org/10.1542/peds.2019-3865

Spracklen CN, Ryckman KK, Robinson JG, et al. Low Birth Weight and Risk of Later-Life Physical Disability in Women. J Gerontol A Biol Sci Med Sci 2017; 72: 543–547. DOI: 10.1093/gerona/glw134

Undela K, Mohammed BTS, Gurumurthy P, et al. Impact of preterm birth and low birth weight on medical conditions, medication use and mortality among neonates: a prospective observational cohort study. World J Pediatr 2019; 15: 281–288. DOI: 10.1007/s12519-019-00239-1

Brasil, Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS). TabNet Win32 3.0: Nascidos vivos - Brasil, http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sinasc/cnv/nvbr.def (2019, accessed 3 January 2021).

BRASIL, IBGE. IBGE | Brasil em síntese | população | taxas brutas de natalidade, https://brasilemsintese.ibge.gov.br/populacao/taxas-brutas-de-natalidade.html (2019, accessed 11 July 2020).

Brasil, Ministério da Saúde. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Brasília: Ministério da Saúde, 2013, http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/atencao_pre_natal_baixo_risco.pdf (2013, accessed 14 march 2021).

Lake EA, Olana Fite R. Low Birth Weight and Its Associated Factors among Newborns Delivered at Wolaita Sodo University Teaching and Referral Hospital, Southern Ethiopia, 2018. Int J Pediatr 2019; 2019: 4628301. DOI: 10.1155/2019/4628301

Giannubilo SR, Biagini A, Ciavattini A. Maternal Blood Pressure in Gestational Hypertensive Women and Birth Weight: an Inverse Relationship. Ann Clin Exp Hypertension 2016; 4: 1–5. https://www.jscimedcentral.com/ExperimentalHypertension/experimentalhypertension-4-1036.pdf (2016, accessed 14 march 2021).

Cruz SS da, Suzart I, Passos-Soares J de S, et al. Maternal hypertension as a risk factor associated with low birth weight. Brazilian Journal of Medicine and Human Health; 4. Epub ahead of print 13 July 2016. DOI: 10.17267/2317-3386bjmhh.v4i2.948.

Persson M, Shah PS, Rusconi F, et al. Association of Maternal Diabetes With Neonatal Outcomes of Very Preterm and Very Low-Birth-Weight Infants: An International Cohort Study. JAMA Pediatr 2018; 172: 867–875. DOI: 10.1001/jamapediatrics.2018.1811

Bridwell M, Handzel E, Hynes M, et al. Hypertensive disorders in pregnancy and maternal and neonatal outcomes in Haiti: the importance of surveillance and data collection. BMC Pregnancy and Childbirth; 19. Epub ahead of print 2019. DOI: 10.1186/s12884-019-2361-0.

Hasse K, Romano J, Emerson S, et al. Colocolic intussusception in a domestic rabbit (oryctolagus cuniculus). Journal of Exotic Pet Medicine 2019; 30: 69–71.DOI: 10.1053/j.jepm.2018.12.004

Assis TR, Viana FP, Rassi S. Estudo dos principais fatores de risco maternos nas síndromes hipertensivas da gestação. Arquivos Brasileiros de Cardiologia 2008; 91: 11–17. DOI: 10.1590/S0066-782X2008001300002.

Figueiredo ACMG, Gomes-Filho IS, Batista JET, et al. Maternal anemia and birth weight: A prospective cohort study. PLoS One 2019; 14: e0212817. DOI: 10.1371/journal.pone.0212817

Mohammed S, Bonsing I, Yakubu I, et al. Maternal obstetric and socio-demographic determinants of low birth weight: a retrospective cross-sectional study in Ghana. Reprod Health 2019; 16: 70. DOI: 10.1186/s12978-019-0742-5

Kandel KP, Kafle S. Risk Factors Associated with Low Birth Weight among Deliveries at Bharatpur Hospital. J Nepal Health Res Counc 2017; 15: 169–173. DOI: 10.3126/jnhrc.v15i2.18208

Arquivos adicionais

Publicado

19.04.2021

Versões

Como Citar

1.
Lyrio AO, Vilasboas SWSL, Gomes Filho IS, Carvalho JR, Souza ES, Batista JET, Orrico GS, Brito SM, Souza LM, Figueiredo ACMG, Cruz SS da. Associação entre hipertensão arterial materna e peso inferior a 3.000g em nascimentos a termo. Com. Ciências Saúde [Internet]. 19º de abril de 2021 [citado 22º de fevereiro de 2024];32(01). Disponível em: https://revistaccs.escs.edu.br/index.php/comunicacaoemcienciasdasaude/article/view/583

Edição

Seção

Saúde Coletiva