Quais fatores influenciam o controle metabólico do diabetes?

Autores

  • Aline Juliana Moreira Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri
  • Amanda Aparecida Januária Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri
  • Ana Maria Alves Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri
  • Luciana Neri Nobre Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

DOI:

https://doi.org/10.51723/ccs.v27i04.54

Palavras-chave:

Diabetes mellitus, Conhecimento, Atitude, Escolaridade, Idade

Resumo

Objetivo: Avaliar quais fatores influenciam no controle metabólico do diabetes. Métodos: Estudo transversal ocorrido durante o período de agosto de 2013 a julho de 2015 com 26 diabéticos atendidos na Clínica Escola de Nutrição em Diamantina, Minas Gerais. Para coleta dos dados foram avaliadas variáveis socioeconômicas, antropométricas e bioquímicas. Foram analisados ainda, o conhecimento sobre diabetes e atitudes psicológicas em relação à doença por meio dos Questionários de Conhecimento e Questionário de Atitudes Psicológicas do Diabetes, respectivamente. O estudo da relação dos fatores que influenciam o mau controle metabólico (glicêmico e lipêmico) do diabetes foi realizado por meio da regressão de Poisson. Adotou-se nível de significância de 5%. Resultados: Houve predomínio do sexo feminino (80,76%), com média de idade de 55,0 ± 12,9 anos. Quanto à escolaridade e tempo de diagnóstico da doença, as médias foram respectivamente de 9,73 ± 4,59 e 7,58 ± 6,95 anos. Nenhuma das variáveis estudadas influenciou o mau controle glicêmico, enquanto o mau controle lipêmico foi associado à maior idade dos voluntários estudados (RP= 1,62; valor-p= 0,020). Conclusão: Os resultados deste estudo apontam que a maioria dos diabéticos estudados apresenta perfil antropométrico e bioquímico inadequados. Em relação ao controle metabólico, o mau controle lipêmico foi associado à maior idade dos voluntários, indicando que quanto maior a idade pior é o controle lipêmico, assim os indivíduos com maior idade precisam ser mais bem orientados para que tenham atitudes mais adequadas frente às demandas impostas pelo diabetes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline Juliana Moreira, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

1 Departamento de Nutrição. Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, Diamantina Minas Gerais, Brasil. UFVJM

Amanda Aparecida Januária, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

1 Departamento de Nutrição. Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, Diamantina Minas Gerais, Brasil. A pesquisa foi realizada no Departamento de Nutrição/ UFVJM

Ana Maria Alves, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

1 Departamento de Nutrição. Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, Diamantina Minas Gerais, Brasil.

Luciana Neri Nobre, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Departamento de Nutrição, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri. Campus JK, Rodovia MGT 367 – Km 583, no 5000 – Alto da Jacuba, Diamantina/MG, 39100000. 

Referências

1. Petermann XB, Machado IS, Pimentel BN, Miolo SB,Martins LR, Fedosse E. Epidemiologia e cuidado à diabetes mellitus praticado na atenção primária à saúde: uma revisão narrativa. Revista de Saúde. 2015;41(1):49-56.
2. Sociedade Brasileira de Diabetes. Tratamento e acompanhamento do diabetes mellitus. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes. Disponível em: http://www.diabetes.org.br/images/2015/area-restrita/diretrizes-sbd-2015.pdf. Acessado em 17/fev/2016.
3. Groff DP, Simões PWTA, Fagundes ALSC. Adesão ao tratamento dos pacientes diabéticos tipo II usuários da estratégia saúde da família situada no bairro Metropol de Criciúma, SC. Arquivos Catarinenses de
Medicina. 2011;40(3):43-48.
4. Mello ES, Wiese LPL, Buzzi V. Avaliação da adesão ao grupo de educação em saúde para pacientes portadores de diabetes melittus em um município de Santa Catarina. Instituto Salus. 2012; 16:2-8.
5.World Health Organization­­­­­­- WHO. Obesity: prevening and managing the global epidemic. Geneva: Report of a WHO Consultation on Obesity; 1998.
6. Faria HTG, Rodrigues FFL, Zanetti ML, Araújo MFM, Damasceno MMC. Fatores associados à adesão ao tratamento de pacientes com diabetes mellitus. Rev Acta Paul Enferm. 2013;26(3):231-237.
7. Torres HC, Hortale VA, Schall VT. Validação dos questionários de conhecimento (DKN-A) e atitude (ATT-19) de Diabetes Mellitus. Rev Saúde Pública. 2005;39(6):906-11.
8.Jellife DB. Evaluacion del estado de nutrición de la comunidade:com especial referencia a las regiones en desarrollo. Genebra: Org. Mundial de la Salud. 1968.
9.Organización Panamericana de la Salud/oficina sanitaria panamericana, la oficina regional Del Organización Mundial de la Salud. Anales da 36ª Reunión del Comité Asesor de Investigaciones en salud. Encuesta multicentrica: salud, bien estar y envejecimiento (SABE) en América Latina y el Caribe; mayo 2001. Washington (DC): Wold Health Organization.
10. Han TS, Van Leer EM, Seidell JC, Lean ME. Waist circumference action levels in the identification of cardiovascular risk factors: prevalence study in a random sample. BrMed J.1995;311:1401-05.
11. Sociedade Brasileira de Cardiologia. V diretriz brasileira de dislipidemias e prevenção da aterosclerose. Arq Bras Cardiol 2013; 19. Disponível em: http://publicacoes.cardiol.br/consenso/2013/V_Diretriz_Brasileira_de_Dislipidemias.pdf. Acesso em: 18/fev/2016.
12. Diehl LA. Diabetes: hora de rever as metas? Arq Bras Endocrinol Metab. 2013;57(7):545-549.
13. Rodrigues FFL, Santos MA, Teixeira CRS, Gonela JT, Zanetti ML. Relação entre conhecimento, atitude, escolaridade e tempo de doença em indivíduos com diabetes mellitus. Rev Acta Paul Enferm. 2012;25(2):284-90.
14. Pimentel IRS, Coelho BC, Lima JC, Ribeiro FG, Sampaio FP de C, Pinheiro RP, et al. Caracterização da demanda em uma Unidade de Saúde da Família. Rev Bras Med Fam comunidade. 2011;6(20):175-81.
15. Silva BT, Saraiva AS, Costa MS. Diabetes mellitus: saberes e práticas e suas implicações para autocuidado. Disponível em: http://apps.cofen.gov.br/cbcenf/
sistemainscricoes/arquivosTrabalhos/I36745.E10.T5977.D6AP.pdf. Acesso em: 18/fev/2016.
16. Souza JD. Prevalência e fatores associados à dislipidemia em idosos de Viçosa/MG [dissertação]. Universidade Federal de Viçosa. 2014.
17. Rodrigues FFL, Zanetti ML, Santos MA, Martins TA, Sousa VD, Teixeira CRS. Knowledge and attitude: important components in diabetes education. Rev Latino-Am Enfermagem. 2009;17(4).
18. Bosi PL, Carvalho AC, Contrera D, Casale G, Pereira MA, Gronner MF, et al. Prevalência de diabetes melito e tolerância à glicose diminuída na população urbana de 30 a 79 anos da cidade de São Carlos,
São Paulo. Arq Bras Endocrinol Metab. 2009;53-56.
19. Moraes AS, Godoy ICM, Gimeno A, Mondini L. Prevalência de diabetes mellitus e identificação de fatores associados em adultos residentes em área urbana de Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil,
2006: Projeto OBEDIARP. Cad. Saúde Pública. 2010;26(5):929-994.
20. Moretti T, Moretti MP, Moretti M, Sakae TM, Sakae DY, Araújo D. Estado nutricional e prevalência de dislipidemias em idosos. ACM. 2009;38(3):12-16.

Downloads

Publicado

24.10.2017

Como Citar

1.
Moreira AJ, Januária AA, Alves AM, Nobre LN. Quais fatores influenciam o controle metabólico do diabetes?. Com. Ciências Saúde [Internet]. 24º de outubro de 2017 [citado 22º de fevereiro de 2024];27(04):301-8. Disponível em: https://revistaccs.escs.edu.br/index.php/comunicacaoemcienciasdasaude/article/view/54

Edição

Seção

Clínica Assistencial