Avaliação da implantação da linha de cuidado do sobrepeso e obesidade no Distrito Federal

Autores

DOI:

https://doi.org/10.51723/ccs.v34i04.1396

Palavras-chave:

Obesidade, Padrão de Cuidado, Avaliação em Saúde

Resumo

Introdução: o crescente aumento da obesidade na população do Distrito Federal levou a Secretaria de Saúde a adotar a estratégia da Linha de Cuidado da Obesidade. Objetivo: avaliar o grau de implantação dessa Linha em uma região de saúde do Distrito Federal. Para tanto, foi realizada uma avaliação normativa das dimensões estrutura e processo para definição do grau de implantação, e identificado os fatores dificultadores/facilitadores para a sua implantação. Método: foram realizadas entrevistas semiestruturadas com gestores e profissionais relacionados a essa Linha de Cuidado, e aplicados questionários com profissionais. Resultados: os principais achados apontam para um grau de implantação parcial (26%), com a dimensão estrutura obtendo melhor desempenho (44,44%) que a dimensão processo (15,15%). Conclusão: a implantação da Linha sofre interferência de vários fatores dificultadores como o perfil dos profissionais da atenção primária, dentre outros, e facilitadores como a existência do Centro Especializado em Diabetes, Obesidade e Hipertensão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cinthya Ferreira Rodrigues, Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal - SESDF

Secretaria de Saúde do Distrito Federal. Edifício PO 700, Setor de Rádio e TV Norte (SRTVN) – 701 Norte – Via W5 Norte, Lote D Brasília, DF, Brasil .70.719-040

Eduarda Ângela Pessoa Cesse, Fundação Oswaldo Cruz - Fiocruz - Instituto Aggeu Magalhães

Instituto Aggeu Magalhães - ENSP/FIOCRUZ/PE. Recife, Pernambuco, Brasil.

Cinthia Kalyne de Almeida Alves, Universidade Federal de Pernambuco - UFPE

Universidade Federal de Pernambuco.  Av. Prof. Moraes Rego, 1235- Cidade Universitária, Recife, PE, Brasil.  50670-901

Referências

Fagundes ALN et al. Prevalência de sobrepeso e obesidade em escolares da região de Parelheiros do município de São Paulo. Revista Paulista de Pediatria. 2008;26(3):212-217. https://doi.org/10.1590/S0103-05822008000300003

Wanderley EN, Ferreira VA. Obesidade: uma perspectiva plural. Ciência & Saúde Coletiva. 2010;15(1):185-194. https://doi.org/10.1590/S1413-81232010000100024

Souza SA et al. Obesidade adulta nas nações: uma análise via modelos de regressão beta. Cadernos de Saúde Pública. 2018;34(8). Disponível em: https://doi.org/10.1590/0102-311X00161417

ABESO. Mapa da Obesidade. 2019. Disponível em: https://abeso.org.br/obesidade-e-sindrome-metabolica/mapa-da-obesidade/

Reis EC. Avaliação do componente ambulatorial especializado da linha de cuidado para obesidade grave na cidade do Rio de Janeiro. [Tese]. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca; 2018.

Filho MB, Rissin A. A transição nutricional no Brasil: as tendências regionais e temporais. Cadernos de Saúde Pública. 2003;19:181-191. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2003000700019

Ministério da Saúde. Vigitel Brasil 2018 - Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico, 2019.

Mendes EV. As Redes de Atenção à Saúde. 2. ed. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2011.

Distrito Federal. Plano de Organização Regional da Linha de Cuidado para Prevenção e Tratamento do Sobrepeso e Obesidade na Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas no Distrito Federal. Brasília: GDF; 2015.

Luz CRAN, Farias FBQ. Proposta de Plano Educativo para indivíduos obesos. Brasília: [s.n.].

Yin, RK. Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre, RS: Bookman; 2005.

Aquino, EM. et al. Medidas de distanciamento social no controle da pandemia de COVID-19: potenciais impactos e desafios no Brasil. Revista Ciência e Saúde Coletiva, 2020; 25; 2423- 2446. https://doi.org/10.1590/1413-81232020256.1.10502020

Starfield B, Shi L, Macinko J. Contribution of Primary Care to Health Systems and Health. Johns Hopkins Bloom Sch Public Heal Milbank Q. 2005;83(3):457-502. doi: 10.1111/j.1468-0009.2005.00409.x.

Conass; Conasems; Ministério da Saúde. Guia Orientador para o enfrentamento da pandemia Covid-19 na Rede de Atenção à Saúde. 4. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2021.

Corrêa DSRC et al. Movimentos de reforma do sistema de saúde do Distrito Federal: a conversão do modelo assistencial da Atenção Primária à Saúde. Ciência & Saúde Coletiva. 2019;24(6):2031-2041. https://doi.org/10.1590/1413-81232018246.08802019

Maximiano TDO. Percepção de gestores e profissionais da saúde sobre a linha de cuidado do sobrepeso e da obesidade. [Dissertação]. Botucatu: Faculdade de Medicina, Universidade Estadual Paulista, 2016.

Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde. Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias e Inovação em Saúde. Coordenação-Geral de Gestão de Tecnologias em Saúde. Coordenação de Gestão de Protocolos Clínicos e Diretrizes terapêuticas. Protocolo clínico e diretrizes terapêuticas do sobrepeso e obesidade em adultos. Brasília: Ministério da Saúde; 2020.

Souza TS, Medina MG. Nasf: fragmentação ou integração do trabalho em saúde na APS. Saúde Debate. 2018; 42(1):142-158. https://doi.org/10.1590/0103-11042018S210

Almeida HB. A compreensão da comunicação entre os profissionais e sua relação com a coordenação da atenção. [Dissertação]. Recife: Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira – IMIP, Recife, 2018.

Giovanella L, Escorel S, Mendonça MHM. Porta de entrada pela atenção básica: Integração do PSF à rede de serviços de saúde. Saúde em Debate. 2003;27(65):278-89. Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/lil-394029

Santos RSAF. Avaliação da Implantação da Rede de Atenção à Saúde das pessoas com Doenças Crônicas Não Transmissíveis em um Distrito Sanitário do Município de Recife - Pernambuco. [Dissertação]. Recife: Fundação Oswaldo Cruz; 2015.

Santos AC. A inserção do nutricionista na Estratégia da Saúde da Família: o olhar de diferentes trabalhadores da saúde. p. 257-265, 2005. Fam Saúde Desenv. 2005;7(3):257-265. Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/cid-55930

Guedes BAP et al. A organização da atenção ambulatorial secundária na SES/DF. Ciência & Saúde Coletiva. 2019;24(6):2125-2134. https://doi.org/10.1590/1413-81232018246.08632019

Montenegro L. A formação profissional do enfermeiro: avanços e desafios para a sua atuação na atenção primária à saúde. [Dissertação]. Belo Horizonte: Universidade de Minas Gerais; 2010.

Ministério da Saúde. Vigitel Brasil 2019 - Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico, 2020.

Ministério da Saúde. Cadernos de Atenção Básica n.º 38 - Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica Obesidade. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Ciência & Saúde Coletiva. 2010;15(5):2297-2305.

Silva, EMS. Proposta de intervenção educativa a partir da análise das dificuldades e potencialidades vivenciadas pelos profissionais atuantes na Linha de Cuidado do Sobrepeso e Obesidade no Município de Cachoeira do Sul/RS. [Dissertação]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2020.

Faria SF. Gestão de filas de espera para cirurgia. [Dissertação]. Lisboa: Universidade de Lisboa, 2016.

Aguiar LOF. Regulação do acesso em saúde: uma análise das filas e o tempo de espera para consultas médicas especializadas no Distrito Federal. [Dissertação]. Brasília: Universidade de Brasília; 2018.

Dias PC et al. Obesidade e políticas públicas: concepções e estratégias adotadas pelo governo brasileiro. Cadernos de Saúde Pública. 2017;33(7). Disponível em: https://doi.org/ 10.1590/0102-311X00006016.

Publicado

22.05.2024

Como Citar

1.
Rodrigues CF, Pessoa Cesse E Ângela, de Almeida Alves CK. Avaliação da implantação da linha de cuidado do sobrepeso e obesidade no Distrito Federal. Com. Ciências Saúde [Internet]. 22º de maio de 2024 [citado 24º de junho de 2024];34(04). Disponível em: https://revistaccs.escs.edu.br/index.php/comunicacaoemcienciasdasaude/article/view/1396

Edição

Seção

Seção temática - Mestrado Profissional em Avaliação em Saúde