Perfil de crianças com necessidades especiais de saúde (CRIANES) na atenção domiciliar

Autores

  • Luciangela Vasconcelos da Silva Escola Superior de Ciências da Saúde - ESCS
  • Beatriz Correia Reis Universidade Estadual de Pernambuco - UPE
  • Flavia da Costa Rodrigues Lima Escola Superior de Ciências da Saúde - ESCS
  • Valdenisia Apolinario Alencar Escola Superior de Ciências da Saúde - ESCS

DOI:

https://doi.org/10.51723/ccs.v33i04.1318

Palavras-chave:

Criança, Adolescente, Acesso aos serviços de saúde, Serviços de assistência domiciliar, Cuidados de enfermagem

Resumo

Objetivo: compreender o perfil das crianças e adolescentes atendidas por um Serviço de Atenção Domiciliar do Distrito Federal, denominados Crianças com Necessidades Especiais de Saúde, para clarificar suas  demandas e quais estratégias podem ser adotadas para atendê-las. Métodos: pesquisa quantitativa, descritiva, documental. Resultados: as crianças e adolescentes corresponderam à a 21% do total de pacientes assistidos. Verificaram-se múltiplas patologias, prevalecendo as doenças neurológicas (75%), causando dependência tecnológica, caracterizada pelo uso de dispositivos,   como  gastrostomia (70%), traqueostomia (60%) e oxigenioterapia (50%).  No aspecto social detectou-se   baixa renda familiar e  femininização do cuidado. A equipe multi profissional de saúde e  as visitas domiciliares constituíram estratégias de cuidado. Conclusão: constatou-se um perfil de complexidade clínica, alta dependência tecnológica e  vunerabilidade social, sendo a Atenção Domiciliar  potente  estratégia de atenção a à saúde. Entre as fragilidades  a baixa quantidade de pacientes infantojuvenil  e a  dificuldade de articulação com outros setores para um cuidado integral.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciangela Vasconcelos da Silva, Escola Superior de Ciências da Saúde - ESCS

Discente curso de Enfermagem da Escola Superior de Ciências da Saúde - ESCS. Bolsista do Programa de Iniciação Científica. Brasília, Brasil

Beatriz Correia Reis, Universidade Estadual de Pernambuco - UPE

Especialista em Enfermagem em Cardiologia na Modalidade de Residência – Universidade Estadual de Pernambuco - UPE. Docente de Enfermagem da ESCS. Enfermeira da Secretaria de Saúde do Distrito Federal - SESDF. Brasília, Brasil

Flavia da Costa Rodrigues Lima, Escola Superior de Ciências da Saúde - ESCS

Mestre em Enfermagem pela Universidade de Brasília- UnB. Enfermeira na Atenção Domiciliar - SESDF. Docente do Curso de Enfermagem da ESCS. Brasília, Brasil

Referências

Rajão FL, Martins M. Atenção domiciliar no Brasil: estudo exploratório sobre a consolidação e uso de serviços no Sistema Único de Saúde. Ciênc. saúde coletiva. 2020;25(5):1863–76. DOI:https://doi.org/10.1590/1413-81232020255.34692019

Foucault M. O nascimento do hospital. In: Machado R, organizador. Microfísica do Poder. 25. ed. Rio de Janeiro: Graal; 2012.

Feuerwerker LCM, Merhy EE. A contribuição da atenção domiciliar para a configuração de redes substitutivas de saúde: desinstitucionalização e transformação de práticas. Rev Panam Salud Publica. 2008 [acesso 5 jun 2021];24(3):180–8. Disponível em: https://www.scielosp.org/pdf/rpsp/2008.v24n3/180-188#:~:text=feuerwerker%20lcm%2c%20merhy%20ee.,(3)%3a180%e2%80%938

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 825, 25 de abril de 2016. Redefine a Atenção Domiciliar no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília: Ministério da Saúde; 2016 [acesso 5 jun 2021]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2016/prt0825_25_04_2016.html

Carnaúba CMD, Silva TDA, Viana JF, Alves JBN, Andrade NL, Trindade Filho EM. Clinical and epidemiological characterization of patients receiving home care in the city of Maceió, in the state of Alagoas, Brazil. Rev. bras. geriatr. gerontol. 2017;20(3):352–62. DOI: https://doi.org/10.1590/1981-22562017020.160163

Moreira MCN, Albernaz LV, Sá MRC, Correia RF, Tanabe RF. Recomendações para uma linha de cuidados para crianças e adolescentes com condições crônicas complexas de saúde. Cad. Saúde Pública 2017;33(11):e00189516. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311x00189516

Wachs LS, Nunes BP, Soares MU, Facchini LA, Thumé E. Prevalência da assistência domiciliar prestada à população idosa brasileira e fatores associados Cad. Saúde Pública. 2016;32(3):e00048515. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311x00048515

Okido ACC, Neves ET, Cavicchioli GN, Jantsch LB, Pereira FP, Lima RAG. Fatores associados ao risco familiar de crianças com necessidades especiais de saúde. Rev. esc. enferm. USP. 2018;52:e03377. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/s1980- 220x2017048703377

Reis KMN, Alves GV, Barbosa TA, Lomba GO, Braga PP. A vivência da familia no cuidado domiciliar à criança com necessidades especiais de saúde. Cienc. Enferm. 2017 ;23(1):45–55. DOI: http://dx.doi.org/10.4067/s0717-95532017000100045

Zamberlan KC, Neves ET, Severo VRG,, Passos RP. O cuidado à criança com doença crônica ou incapacitante no contexto hospitalar. J. res.: fundam. care. online 2014;6(3):1288–301. doi: 10.9789/2175-5361.2014v6n3p1288

Rossetto V, Toso BRGO, Rodrigues RM. Fluxograma organizativo de atenção domiciliar às crianças com necessidades especiais de saúde. Rev. Bras. Enferm. 2020;73(Suppl 4):e20190310. doi: 10.1590/0034-7167-2019-0310

Braga, Patrícia Pinto Et Al. Oferta e demanda na atenção domiciliar em saúde. Ciênc saúde coletiva. 2016;213):903–12. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232015213.11382015

Companhia de Planejamento do Distrito Federal. Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílios. PDAD – 2018. Brasília: Codeplan; 2019 [acesso 5 jun 2022]. Disponível em: http://www.codeplan.df.gov.br/wp-content/uploads/2019/03/pdad_df-grupo-de-renda-compactado.pdf

Góes FGB, Cabral IE. Discourses on discharge care for children with special healthcare needs. Rev Bras Enferm. 2017;70(1):154–61. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0248

Neves ET, Silveira A. Desafios para os cuidadores familiares de crianças com necessidades especiais de saúde: contribuições da enfermagem. Rev Enferm UFPE on line.2013 [acesso 5 jun 2022];7(5):1458–62. Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/biblio-1033637

Favaro LC, Marcon SS, Nass EMA, Reis P, Ichisato SMT, Bega AG, et al. Percepção do enfermeiro sobre assistência às crianças com necessidades especiais de saúde na atenção primária. Reme: Rev Min Enferm. 2020;24. DOI: http://dx.doi.org/10.5935/1415-2762.20200006

Gouveia MTO, Mendes MCS, Luz YPO, Silva GRF. Classificação de pacientes pediátricos em um hospital de ensino de Teresina. Rev Rene. 2010 [acesso 5 jun 2022];11(N. Esp):160–8. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/3240/324027973018.pdf

Leite FLLM, Gomes GC, Minasi ASA, Nobre CMG, Oliveira SM, Severo DG. Criança com necessidades especiais de saúde: análise do cuidado prestado pela família. REAS. 2019;11(15):e1342. DOI: https://doi.org/10.25248/reas.e1342.2019

Silva RX, Oliveira RGS, Almeida KR, Lima AL, Lélis ALPA, Calado DB, et al. Sintomatologia das doenças em crianças e adolescentes com necessidades especiais. Id on Line Rev. Mult. Psic. 2019;13(47):836–56. DOI: 10.14295/idonline.v13i47.2081

Brasil. Lei Orgânica da Assistência Social – LOAS - Lei nº. 14.176, de 22 de junho de 2021. Altera a Lei nº 8.742, de 7 de dezembro de 1993, para estabelecer o critério de renda familiar per capita para acesso ao benefício de prestação continuada, estipular parâmetros adicionais de caracterização da situação de miserabilidade e de vulnerabilidade social e dispor sobre o auxílio-inclusão de que trata a Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015 (Estatuto da Pessoa com Deficiência); autoriza, em caráter excepcional, a realização de avaliação social mediada por meio de videoconferência; e dá outras providências. Diário Oficial da União 23 jun 2021 [acesso 5 jun 2022]. Disponível em: https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/lei-n-14.176-de-22-de-junho-de-2021-327647403

Garcia DSSD, Garcia HS. Repensando as políticas globais de erradicação da pobreza. Rev. Dir Adm. 2020 [acesso 5 jun 2022];279(1):161–92. Disponível em: file:///C:/Users/User/Downloads/admin,+Artigo+7%20(3).pdf

Publicado

16.05.2023

Como Citar

1.
Vasconcelos da Silva L, Correia Reis B, da Costa Rodrigues Lima F, Apolinario Alencar V. Perfil de crianças com necessidades especiais de saúde (CRIANES) na atenção domiciliar. Com. Ciências Saúde [Internet]. 16º de maio de 2023 [citado 24º de junho de 2024];33(04). Disponível em: https://revistaccs.escs.edu.br/index.php/comunicacaoemcienciasdasaude/article/view/1318

Edição

Seção

Seção temática - Artigos oriundos de Programas de Iniciação Cient´ífica